Exercícios simples que o encaminham para as respostas que procura, fazendo-o definir objetivos e os passos para chegar até eles. O coach ajuda-o. Mas o caminho é seu! Conquiste os seus sonhos. Seja feliz. A primeira sessão de life coaching é um desafio que o faz avaliar até que ponto está satisfeito com a vida que tem. Veja também a galeria de imagens que lhe indica 7 passos rumo à liberdade.

Qual é o grau de satisfação que tem com a sua carreira, o seu desenvolvimento pessoal, a sua saúde, os seus relacionamentos? Alguma vez parou para pensar nisso objetivamente? E o que é que poderia ser feito para aumentar esse valor em cada uma das dimensões da sua vida? Mudar de emprego? Ler mais? Fazer exercício todos os dias?

Então, porque é que não o faz? Como referiu o coach Nelson Furtado em declarações à Saber Viver, o life coaching «propõe um cara a cara com a sua própria vida através da construção de um retrato o mais fiel possível da situação atual no que diz respeito à satisfação».

Para que isto aconteça, a sessão baseia-se em perguntas específicas colocadas pelo coach, o treinador que vai aumentar a sua capacidade de se sentir feliz, que vão deixá-lo consciente do que é que pode estar a falhar. Não são abordados assuntos pessoais e íntimos. São apenas levantadas questões sobre eles. E o que interessa é a sua resposta, para si mesmo.

Resultados desde a primeira sessão

A grande mais-valia do life coaching reside no facto de, a cada sessão, surgirem resultados. Isto porque, como refere Nelson Furtado, «a sessão é estruturada como se fosse um funil em que partimos de uma premissa inicial dada pelo coachee [pessoa que está a ser treinada]. A partir dessa afirmação vamos afunilando o pensamento através de perguntas mais ou menos poderosas», diz.

Isso é feito com o recurso a esquemas, tabelas por preencher e outros materiais que são ferramentas importadas da psicologia cognitiva-comportamental. «A sessão culmina com o compromisso de uma tarefa que o coachee terá de realizar» e que ele próprio definiu como importante para aumentar a satisfação em relação à sua vida.

Para além disso, cabe ao coach ter a liberdade de perguntar quando é que vai fazer essa tarefa e de que forma, para que seja (quase) impossível escapar ao compromisso assumido. Conheça também a história de Mário Caetano, o coach motivacional que encontrou o divino num retiro na selva.

Veja na página seguinte: Como se processam as sessões

Um treino para vida

É assim que pode ser explicada esta terapia que surgiu nas universidades inglesas no século XIX, mas que se popularizou em 1970 nos campos de ténis norte-americanos, quando jogadores como Timothy Gallwey perceberam que a condição física não era suficiente para garantir a vitória. Isto porque «o treino interno que conseguimos com o life coaching permite desenvolver competências e talentos que desconhecemos», explica Nelson Furtado.

«E estes passam a ser armas poderosas para garantir o sucesso», acrescenta ainda. No fundo, trata-se de um treino emocional com um coach, comparável a um treino físico com um personal trainer. Existem duas vertentes de coaching. A do executive coach está mais ligada às empresas.

A da life coaching está mais destinada ao foro pessoal mas que não descura a carreira e vida profissional. Normalmente, os processos de coaching têm a duração mínima de três a quatro meses e, na opinião de Nelson Furtado, deve ser feita uma sessão por semana. Ainda assim, «podem adotar-se outros moldes mais convenientes para o cliente, tendo em conta os seus objetivos e tipo de progressos», diz.

O que é que tem a ganhar?

Autoestima, confiança, definição de objetivos, determinação e poder de decisão. O processo de life coaching permite-lhe voltar ao comando da sua vida e ser o homem do leme em tudo o que faz tanto a nível pessoal como profissional. Nelson Furtado refere que o coachee «aprende a estar motivado, a motivar-se nas alturas complicadas, e a gerir efetivamente os seus recursos de felicidade».

Saber o que quer e perceber a importância da capacidade de sonhar e datar os seus sonhos, transformando-os em objetivos, é o que de melhor se pode obter no final de três meses, em média, de sessões de life coaching. Para além disso, como os resultados são obtidos passo a passo, sessão a sessão, a motivação é crescente e constante.

No fundo, o caminho faz-se caminhando e a felicidade é conseguida não apenas na chegada ao objetivo mas igualmente durante todo o processo. À partida, devem fazer estas formações apenas as pessoas que desejam mudar. O mais importante é o património interior de cada um e a vontade de chegar mais longe.

Não há qualquer contraindicação neste método. As sessões, com a duração média de 60 minutos, podem ser feitas em qualquer local, desde que não seja a casa do coachee, para evitar que este se sinta em pleno controlo da situação. Os espaços mais comuns são jardins, esplanadas, cafés, presencialmente ou até mesmo à distância por vídeochamada.