Natural e nutritivo, o leite produzido pela mãe é o alimento mais completo para o recém-nascido. Porquê? A resposta, segundo dados divulgados numa conferência promovida pela Cuidar +, dedicada aos cuidados do recém-nascido, está nos seus constituintes únicos.

Rico em água, proteínas, lípidos, glícidos, vitaminas e minerais, o leite materno está perfeitamente adaptado ao recém-nascido,
fornecendo-lhe todos os nutrientes de que ele precisa nos primeiros meses de vida para um desenvolvimento saudável.

Além dos benefícios a nível nutritivo e imunológico, reconhecem-se outras vantagens no aleitamento materno não só para o bebé, mas também para a mãe.

Benefícios para o bebé

1. Favorece o desenvolvimento da função respiratória, mastigação, fala e estruturas dentárias.

«As crianças que são alimentadas pelo biberão não desenvolvem tão bem estas capacidades porque o bebé faz menos esforço, já na amamentação, o bebé coloca em funcionamento um grande número de músculos faciais», explica Sandra Lucas, enfermeira especialista em saúde infantil e pediátrica.

2. Promove o contacto com diversos sabores, preparando o bebé para a introdução de novos alimentos na sua dieta.

«Uma vez que o leite materno resulta da alimentação da mãe, o bebé ao ingerir este leite tem à sua disposição todos os sabores com que a mãe contactou. Mais tarde, com a introdução dos novos alimentos, o bebé já vai estar familiarizado com alguns dos sabores», esclarece a enfermeira.

3. Graças às suas propriedades, é de mais fácil digestão e melhora o funcionamento intestinal.

4. Requer o contacto físico entre a mãe e o bebé, favorecendo o estabelecimento do vínculo afectivo entre ambos.

5. Estudos científicos já comprovaram que reduz o risco de obesidade na adolescência e na idade adulta.

6. Em comparação com os leites artificiais, o leite materno possui maiores
quantidades de proteínas especiais como a lactoferina e imunoglobulinas
que ajudam a proteger o bebé de infecções gastrointestinais,
respiratórias e urinárias. Daí a sua importância para a saúde do bebé.

7. Protege o bebé contra outras infecções, uma vez que a mãe transmite anticorpos através do seu leite.

Benefícios para a mãe

1. Favorece a recuperação da silhueta materna, um «factor animador» e «de grande importância para a auto-estima e bem-estar da mãe», sublinha Sandra Lucas.

2.
«A amamentação representa, em média, um gasto calórico de 600 calorias
por dia», revelou a enfermeira no decurso da conferência da
Cuidar +.

3. De acordo com alguns estudos, a amamentação reduz as
hemorragias pós-parto bem como o risco de desenvolver cancro da mama e
dos ovários, osteoporose ou fracturas da anca.

4. Está sempre
disponível e à temperatura certa. «Não implica custos e anda sempre
connosco», refere a enfermeira, recordando que «as mães não têm que
estar preocupadas com o transporte constante de acessórios, como
biberões ou esterilizadores, para alimentar o seu bebé».

A constituição dinâmica do leite

A composição nutricional do leite é variável e altera-se ao longo do
crescimento do bebé. «Por exemplo, a partir da segunda semana de vida do
bebé, a mãe já produz um leite mais maduro e em maior quantidade», refere a enfermeira Sandra Lucas.

A constituição do leite varia também ao longo de cada mamada e, por isso,
alerta a enfermeira, «é essencial que o bebé esvazie a mama
para que todas as necessidades sejam satisfeitas».

«No início da mamada, o leite materno é constituído essencialmente por
água, contém anticorpos que reforçam o seu sistema imunitário e
proporciona um efeito laxante no bebé. Já no final da mamada, o leite contém mais gordura, um ingrediente
importante para satisfazer as necessidades energéticas do recém-nascido», explica a enfermeira.

Para saber mais sobre as formações dadas pela Cuidar +, clique aqui.

Texto: Sofia Cardoso com Sandra Lucas (enfermeira especialista em saúde infantil e pediátrica)