Os nossos pés são muito complexos e na sua constituição alojam um quarto de todos os ossos do corpo, além de possuírem uma complexa rede de músculos, ligamentos e articulações os nossos pés são vulneráveis a ferimentos e doenças.

Desde do tempo Egípcio e ao longo dos séculos o calçado foi desenhado para atender às necessidades da humanidade no que concerne á proteção, ao apoio, ao conforto, á robustez e até mesmo á elegância.

Os pés sofrem enormes pressões ao longo do dia a dia. Um dia normal de caminhada pode corresponder a uma força igual a várias centenas de toneladas sobre os pés, o que faz com que estes membros estejam sujeitos a lesões mais do que qualquer outras parte do corpo, ressalvando assim a necessidade de protegê-los com um calçado apropriado.

Calçado de criança

Quando uma criança começa a andar, normalmente não necessita de sapatos. Permitir que uma criança ande em casa descalço, apenas com uma meias ajuda a que o pé cresça normalmente, desenvolvendo os músculos, assim como a capacidade de preensão dos dedos. A utilização do calçado deve ocorrer á medida que a criança se vai tornando mais ativa e as suas atividades passam a ser não só em casa como na rua, neste caso o calçado passa a ser necessário.

Ao comprar os sapatos das crianças deve ter em conta vários aspetos. O contraforte deve ser firme, deve ser flexível apenas na região dos dedos, deve ser possível ajustar o calçado aos pés através de atacadores ou velcro. Só é possível saber se o calçado está bom de tamanho quando a criança está em pé, devendo sobrar um dedo indicador do dedo maior do pé na parte da frente do calçado. O calçado não deve chinelar quando a criança caminha, sendo importante andar sempre com os atadores ajustados.

Calçado de mulher

As mulheres são quem mais infligem “castigos” aos pés, usando com frequência calçado desadequado, provocando assim, problemas desnecessários.

Alguns dos problemas resultam da utilização de saltos altos com mais de 5 centímetros excessivamente finos, sendo não só “patológicos” para os pés como também para a postura e articulações subjacentes.

Para além dos saltos altos a ponta do calçado muito estreita também são nefasto para os dedos.

Para minimizar este efeitos negativos é fundamental um “racionamento” no uso/abuso deste tipo de calçado, sendo importante alternar com calçado mais baixo e adequado.

A utilização em excesso que chinelos, de calçado excessivamente mole (tipo sabrina) provoca também o aparecimento de inúmeros casos de dores diversas nos pés (Tendinites – inflamações nos tendões)

A adequação do calçado ao tipo de atividade é fundamental.

Calçado de homem

O calçado do Homem é muito menos problemático, quando comparado com o da Mulher. O calçado do estilo Oxford (clássico) apresenta de um modo geral as características adequadas, isto é contraforte resistente um ligeiro tacão largo, não dobra a meio, apenas na zona dos dedos e possui atacadores.

É também importante que a palmilha do calçado seja acolchoada e que a sola dos sapatos apresentem capas de borracha de modo a dar mais conforto e não escorregar.

Tal como nas mulheres é fundamental a adequação do calçado ao tipo de atividade (trabalho, laser, desporto)

Calçado desportivo

Hoje em dia o calçado desportivo possui um elevado grau de especificidade, ao ponto de dentro da mesma atividade desportiva existirem características especificas para, por exemplo, diferentes tipos de piso.

Para prevenir o aparecimento de lesões desportivas não só nos pés como também em todo o membro inferior é importante a realização de estudos dos apoios plantares para indicar o melhor calçado desportivo para a pessoa em causa e até mesmo para o piso onde decorre a atividade.

Calçado de proteção

A utilização de calçado de proteção para além de ser um imposição legal é sem dúvida uma necessidade para, como o próprio nome diz, proteção dos pés.

Devido ás suas características, em especial, a presença da biqueira de aço ou fibra de carbono por vezes tornam-se desconfortáveis, neste sentido, é importante que o calçado seja de boa qualidade de modo a não trazer outros tipos de patologias.

Por João Martiniano, Podologista na Clínica São João de Deus