A tecnologia e a ciência quase tudo podem oferecer ao ser humano, ao contrário do que acontecia há séculos atrás. Porém, hoje em dia, mais do que nunca, o Homem paga o preço elevado dessa evolução. A azáfama em que vivemos, o stresse que diariamente nos atinge, nunca foi tão marcante como neste início de milénio.

O Tai Chi apresenta-se como uma combinação especial de exercícios e meditação, de origem milenar, que pretende libertar, simultaneamente, a mente e o corpo, ajudando a combater o stresse característico da vida moderna e dar uma maior flexibilidade ao corpo.

Exercícios com mais de 2500 anos

Os exercícios que compõem o Tai Chi, originários da China, remontam há mais de 2500 anos e são muitas as teorias e lendas sobre as suas origens. Uma das mais famosas é que terá sido fundado pelo monge tauista e perito em artes marciais, Chang San Feng (960-1279). Segundo a lenda, o monge ficou de tal forma impressionado com uma serpente que, com os seus movimentos flexíveis e ágeis, terá derrotado um grou, que decidiu integrá-los nos seus exercícios marciais. À parte das lendas, inicialmente o Tai Chi tinha três vertentes - medicinal, marcial e religiosa.

Contudo, atualmente, esta prática é considerada uma arte marcial não combativa que, como já foi referido, inclui a meditação e exercício, com o fim de promover a saúde em geral.

A realização do Tai Chi assenta naquilo a que os seus adeptos chamam a forma - um conjunto de exercícios lentos e graciosos praticados segundo um padrão definido. Por exemplo, uma forma longa pode implicar 108 movimentos, cuja realização pode durar cerca de 20 minutos a uma hora, enquanto que uma forma breve pode compreender 24 movimentos, executáveis em apenas 5 a 10 minutos.

Qualquer praticante deve ter em mente alguns princípios filosóficos básicos em que assenta esta terapia. Assim, um dos conceitos mais importantes a ter em consideração é o que os chineses chamam de chi - a energia interna - ou seja, a força que nos mantém vivos. De acordo, com esta teoria, os exercícios de Tai Chi devem ser praticados harmoniosamente para reequilibrar o fluxo de energia que percorre o organismo, evitando qualquer instabilidade entre o bem-estar físico e psíquico.

Benefícios

Segundo os adeptos desta terapia, a prática regular de Tai Chi pode aliviar o stresse, estados depressivos, ansiedade e tensão, relaxar os músculos e o sistema nervoso, promover o metabolismo e reforçar o sistema imunitário. A flexibilidade articular pode ser melhorada (por ex. casos de artrites) e a realização deste tipo de exercícios pode ainda beneficiar o sistema digestivo, circulatório e respiratório, o que leva cada vez mais pessoas a escolher o Tai Chi como forma de prevenção e manutenção de saúde.

Ao contrário de outros tipos de exercícios, o Tai Chi pode ser praticado por qualquer pessoa, independentemente do sexo, idade, saúde ou do seu nível físico. Este tipo de exercício não requer equipamentos sofisticados: deve usar apenas calçado macio e roupas largas que não impeçam os movimentos. Preferencialmente, a prática do Tai Chi deve ser feita ao ar livre, mas caso o pratique dentro de casa, escolha um compartimento arejado e amplo.

Regularidade

Os benefícios que advêm do Tai Chi não são imediatos. Pelo contrário, surgem da repetição e persistência. Por exemplo, os movimentos de uma forma longa podem demorar cerca de dois anos a aprender. Por isso, necessitará de praticar o Tai Chi com regularidade: pelo menos uma sessão semanal para principiantes, mas o ideal será cerca de 30 minutos diários. Para começar basta aprender os movimentos básicos e executá-los com fluidez (existem livros onde pode observar, em pormenor, todas as sequências de movimentos). Porém, existem centros onde poderá frequentar aulas de Tai Chi ministradas por profissionais.

Apenas a título de curiosidade, já tive ocasião de observar, nomeadamente em São Francisco e em Pequim, grupos de pessoas que se juntam nos jardins e que, alheios ao bulício das frenéticas cidades, praticam Tai Chi, todas as manhãs. Penso que este conjunto de exercícios poderá ser um contributo interessante a considerar caso leve, uma vida agitada, ou apenas deseje manter, na melhor forma, o seu bem-estar físico e mental.

Por Pedro Lôbo do Vale, Médico Especialista em Medicina Geral e Familiar, e consultor da Associação Portuguesa de Alimentação Racional e Suplementos Alimentares, e do Celeiro