Deitada, de costas, de lado, de frente, por trás... As opções são muitas e variadas. Em matéria de posições sexuais, vale praticamente tudo para atingir o objetivo máximo, o orgasmo. Sem pudores e de preferência sem tabus. Nos consultórios de sexologia, as recomendações a este nível estão longe de ser formatadas. Todavia, na vida real, nem sempre é assim e, apesar da muita informação disponível, as dúvidas continuam a ser muitas.

"Quando sugerimos posições é importante perceber se a mulher se sente à vontade, se está confortável com o seu corpo, se costuma ter dores na relação sexual", explica a sexóloga Vânia Beliz, autora do livro "Ponto Quê? O Prazer no Feminino". "Se para a mulher é importante a estimulação clitoriana para atingir o orgasmo, a posição de missionário pode não ser a mais gratificante", exemplifica.

E, se não gostar de ser observada, ter o companheiro por trás pode ser intimidador. "Todas as posições são possíveis e todas poderão proporcionar prazer. Quanto mais posições experimentar melhor irá perceber o que mais lhe agrada", sublinha Vânia Beliz, que escolheu quatro posições aliadas do orgasmo feminino e explicou as suas vantagens:

1. Alinhamento coital

Nesta posição, a mulher deverá ficar deitada de barriga para cima e o parceiro posicionar-se em cima dela, encaixando a cabeça no seu ombro, permanecendo nessa posição. O homem deverá introduzir o pénis na vagina da parceira e friccionar com a base do seu pénis o osso púbico da parceira. O pénis não é retirado da vagina. A diferença entre o alinhamento coital e a posição de missionário está no posicionamento dos corpos e no ângulo de penetração.

"O homem deverá penetrar a parceira de um ângulo mais elevado, deitando-se sobre o corpo dela", explica Vânia Beliz. Ao executar esta posição, alguns casais colocam por baixo da bacia da mulher uma pequena almofada para que a zona pélvica fique mais elevada e possa haver mais contacto entre os corpos. Além disso, a mulher poderá colocar as pernas à volta do parceiro, no entanto alguns especialistas referem que a técnica pode resultar melhor se a mulher permanecer com as pernas fechadas.

Esta posição propicia o aumento da sensibilidade. Para que a mulher tenha mais prazer, deve ser posicionada para que a zona clitoriana externa e interna seja estimulada mais intensamente, proporcionando-lhe maior sensibilidade e prazer. Ajuda-a a sentir melhor o parceiro e ele também tem mais prazer, uma vez que se sente mais apertado no seu interior. O alinhamento coital é ideal para casais que procuram maior proximidade.

É uma técnica utilizada com frequência em terapia sexual para ajudar mulheres que têm dificuldade em atingir o orgasmo. De salientar que esta posição resulta melhor se for antecedida por um período de preliminares que permitam à mulher ficar mais excitada, com o clítoris aumentado e logo, mais sensível ao contacto com o corpo do parceiro.

2. Posição de missionário

Neste caso, a mulher permanece deitada de barriga para cima, com as pernas abertas e os joelhos fletidos, enquanto o parceiro se deita entre as suas coxas. A melhor forma de executar implica que, numa posição aparentemente passiva, a mulher eleve os quadris para encaixar o parceiro. Ao segurar-lhe o rabo, a mulher pode marcar o ritmo, controlar os movimentos, protegendo-se de penetrações que poderão provocar dor. Colocar uma almofada por baixo da bacia também pode fazer a diferença.

A posição missionário é uma boa opção para mulheres que não são ávidas de novas experiências, mais envergonhadas (uma vez que a exposição corporal é menor) e que gostem de maior contacto com o parceiro. Esta também é indicada para casais que procuram maior intimidade, já que permite que se olhem nos olhos, que se beijem, que se toquem, que vejam como o outro atinge o clímax.

3. Penetração por trás

Neste caso, a mulher fica com as mãos e os joelhos apoiados, enquanto o homem a penetra por trás e a estimula, em simultâneo. Nesta posição, a mulher também pode auto estimular-se. A mulher deve apoiar os antebraços e a cabeça para que o corpo não vacile com as investidas do homem, que está ajoelhado atrás dela. "A mulher deve evitar sentir-se submissa", aconselha Vânia Beliz. O grau da penetração varia em função da posição da mulher, consoante esta esteja mais deitada sobre a cama ou mais erguida.

Esta é "seguramente uma das posições em que os homens aguentam menos tempo, uma vez que a visão é muito importante na satisfação masculina. Como a mulher pode ter mais prazer se sentir que é ela que domina, pode arquear as costas e tentar baixar-se", refere. Sendo ideal para mulheres que se queixam que eles demoram muito tempo, também é uma boa posição para as que gostam de uma penetração mais profunda.

"Se a mulher for muito tímida e tiver receio de que o companheiro a observe, poderá manter a roupa interior sugerindo ao parceiro que a desvie. Eles costumam ficar encantados com a visão do traseiro e não, não costumam reparar na celulite", acrescenta a especialista.

4. Posição de colher

Neste caso, a mulher deita-se de lado, com as pernas fletidas, em posição fetal e o homem coloca-se atrás dela, imitando a sua posição. "O ideal é que a mulher esteja sentada no colo do companheiro, uma vez que ambos podem estimular-se e a penetração pode acontecer apenas quando a parceira estiver muito excitada", explica a sexóloga. Uma vez que o posicionamento dos corpos é acolhedor e confortável, esta posição permite que ambos estimulem a zona clitoriana da mulher, permitindo-lhe tirar um enorme prazer.

A posição de colher é ideal para mulheres que não querem ou não podem fazer grandes esforços e/ou que pretendem usufruir de uma sessão de mimos, através dos preliminares dedicados aos genitais. Esta é também uma boa opção para grávidas, casais seniores e casais que gostem de desfrutar do momento com mais calma pois não é preciso suportar o peso do outro, nem o seu próprio peso.

Texto: Sónia Ramalho com Vânia Beliz (sexóloga)