Violações e crianças soldado aumentam em África

Relatório da Amnistia Internacional denuncia realidades chocantes
Num relatório sobre Direitos Humanos, divulgado a 26 de Junho, a Aministia Internacional denuncia realidades chocantes, em África, relativas ao aumento do número de crianças soldado e de casos de violação que atingem cada vez mais mulheres, num clima de total impunidade.

Na República Centro Africana, os crimes de violação são perpetuados por grupos de militares armados e as mulheres são banidas, por vergonha, das respectivas famílias.

Na cidade de Boromata, no nordeste do País, os casos de violação em massa, de humilhações sexuais e de actos de tortura a mulheres são cada vez mais comuns.

Aliás, os abusos estão a tornar-se num "hábito quotidiano", sendo incalculáveis os efeitos desvastadores na saúde reprodutiva, física e mental das milhares de vítimas.

Em Gordil, igualmente no nordeste do País, milhares de crianças são recrutadas por gangs armados a troco de algum dinheiro, num negócio ilegal e sem qualquer tipo de intervenção por parte das autoridades.

Neste relatório, a Amnistia Internacional lança o aviso de que milhões de civis têm as suas vidas em risco e o número tende a sumir enquanto as situações de violência em países vizinhos, como o Sudão e o Chade, não forem resolvidas.

Foto: Lusa/EPA/Pierre Holtz

Comentários