Um quarto dos portugueses diz palavrões, grita, faz gestos ou buzina ao volante

A propósito do Dia Mundial do Trânsito e da Cortesia ao Volante, que se assinala a 5 de maio, conheça alguns dos comportamentos mais frequentes dos automobilistas nacionais em situações de stress ao volante, com base num estudo que analisou o comportamento de 1300 condutores.
créditos: Pexels

Da análise dos dados de comportamento medidos a partir da "Escala DBS – Driven Behavior Scale", um estudo da Continental Pneus, 27% dos condutores inquiridos revela um comportamento agressivo e hostil em situações de stress ao volante.

A demonstração de irritação para com os outros automobilistas é uma prática corrente nos condutores inquiridos, já que apenas 34,8% afirma nunca o fazer. Tentar encontrar maneira de demonstrar aos outros condutores que o estão a enervar é um comportamento que acontece com mais de 55% dos inquiridos. Dizer palavrões enquanto conduz é um comportamento prevalecente nos condutores portugueses, sendo que a maioria dos inquiridos já o fez, sendo que 14% o faz de forma frequente e muito frequente.

Gritar com os outros condutores quando eles o deixam nervoso acontece frequentemente com 35% dos automobilistas.

O estudo permite concluir que mais de 26% dos inquiridos faz "gestos" para os condutores que os enervam. Bater no volante quando se está nervoso é um gesto que 34% dos inquiridos pratica. Somente 31,8% dos inquiridos nunca buzinou aos condutores que o deixam nervoso. 30% fazem-no frequentemente ou muito frequentemente.

Os dados recolhidos permitem ainda aferir que os condutores que mais se preocupam em manter um estilo de vida saudável são os que revelam menos tendência para a agressividade ao volante. No lado oposto, os condutores que percecionam ter mais stress na sua atividade profissional são os que revelam mais comportamentos agressivos ao volante. "No tema da prevenção da sinistralidade rodoviária, o comportamento dos condutores é, sem dúvida, um tema que necessita de maior estudo, de forma a produzir conclusões que possam ajudar a delinear estratégias que apoiem a tomada de decisões", refere Pedro Teixeira, diretor geral da Continental Pneus Portugal.

O estudo baseou-se num inquérito conduzido a partir de uma amostra aleatória de 1300 portugueses.

Falar e conduzir ao telemóvel? Estes 10 números assustam

artigo do parceiro: Nuno Noronha

Comentários