Miguel Vieira encerra 34ª edição do Portugal Fashion

No último dia desfilaram também as coleções de Luis Onofre, Lion of Porches e Carlos Gil para o próximo outono/inverno

Miguel Vieira encerrou o último dia de desfiles da 34ª edição do Portugal Fashion com “Uma noite de inverno”, coleção já apresentada no início do mês em Lisboa. Propostas fiéis à sua essência, com tons e texturas invernosas, para mulheres e homens distintos, elegantes e com grande poder de sedução. A silhueta clean e pura com formas tubulares ou com cinturas marcadas, em peças inspiradas no smoking, golas altas, peças oversized, jogos de alturas e ombros descaídos.

Este último dia começou bastante cedo, às 15h com o desfile de Indústria, que contou com as propostas de Ballentina, Cheyenne, Concreto by Helder Baptista, Mad Dragon Seeker by Alexandrine Cadilhe e Daniel Simões. Seguiu-se a jovem designer Teresa Abrunhosa, na plataforma Bloom, com uma coleção que evoca o espírito dos anos 60, repleta de vestidos e saias curtas.

Às 16h foi a hora do coletivo de calçado desfilar… Dkode, Fly London, Goldmud e Alexandra Moura, J. Reinaldo,  Nobrand e Silvia Rebatto mostraram as tendências que vão andar nos pés de todos no próximo outono/inverno. De seguida Carlos Gil apresentou uma silhueta onde as cinturas ganham relevância e os tons metalizados, juntos com penas e pelas, são protagonistas deste particular ballet do criador. “Valsa dos pássaros” foi o nome escolhido para uma coleção onde o limite será a mestria associada à beleza.

A jovem designer Claudia Garrido mostrou a coleção “GhostMothers”, inspirada nas imagens “creepy” das preciosas crianças e suas mães escondidas. “Movimento” foi o nome escolhido por Ricardo Preto para a sua linha Meam by Ricardo Preto. O vibrante mundo atual proporciona a inspiração de que esta coleção seja um reflexo da alma feminina. A silhueta discreta e esguia é pensada para um mulher contemporânea, culta e saudável, atenta aos desafios da sociedade, com a ambição de inspirar-se e inspirar.

"Dandy" personaliza o homem Vicri, desfile que teve lugar perto das 19h30 e que se inspira em alguém com sentido de estética apurado e rigoroso, caminhando entre o elegante e o ousado. É o cavalheiro perfeito, sempre impecavelmente vestido e atento às tendências, mas sem ser seu prisioneiro, transformando a novidade e integrando-a na sua forma de ser e estar.

De seguida teve lugar o concurso Bloom para avaliar novos talentos: Ana Catarina Santos, Ana Vicente, Eduardo Amorim, Haggard by António Vaz Soares, João Rôla, Martinho Gonçalves, Pedro Neto e Teresa Carvalheira foram os escolhidos para apresentar coleção. Lion of Porches apresentou neste desfile 3 coleções: a a tradicional linha Lion, aliada a um lifestyle british, propondo um casualwear de cariz urbano e descontraído; a linha Colourful Hunting, fortemente baseada em elementos e tons do tema caça; a linha City, com um casualwear trendy e sofisticado, com pormenores cuidados e peças em tecidos de seda, fazendas e tricotados de cachemira, dando origem a uma coleção fluida e confortável.

De regresso às origens, a Dielmar retornou à época dourada dos anos 60, onde a importância dada ao bem vestir era uma máxima diária para  todos os homens. Esta década marcou o início da marca e é nela  que reside a inspiração para a próxima coleção de outono/inverno  2014.

Os últimos Bloom da noite tiveram lugar às 22h e 23h com as propostas de Joana Ferreira e KLAR.

Luis Onofre, um dos designer mais aguardados, mostrou a coleção “Mine Storm”, uma tempestade de emoções, fruto de propostas transversais que atingem um público mais alargado. Botas, botins, sapatos, sandálias, malas e clutches agradam às mulheres mais maduras e também às mais jovens, sendo ideais para as filhas que adoram copiar o estilo das mães. As sapatilhas estão entre as novidades que o criador levou à passarelle, assumindo o conforto como preocupação.

Veja ainda o dossier com todos os desfiles aqui.

30 de março 2014

artigo do parceiro:

Comentários