Lisboa acolhe o I Congresso Nacional de Dermatologia Cosmética

Especialistas portugueses e estrangeiros debatem avanços da medicina estética na capital

A reconstrução cirúrgica de grandes defeitos da região temporal, o tratamento definitivo da hiperhidrose e o rubor facial são alguns dos temas relacionados com problemas dermatológicos em discussão no I Congresso Nacional de Dermatologia Cosmética.

Mas também se vai falar de mucinoses cutâneas primárias, de morfeia em placa, de peelings e lasers e de casos de eritrodermia.

Organizado pela Sociedade Portuguesa de Dermatologia e Venerologia (SPDV), o evento é promovido no âmbito da reunião anual de primavera da instituição. «São cada vez mais os doentes que pedem ajuda ao dermatologista no tocante a procedimentos destinados a melhorar a aparência e os recursos técnicos não param de aumentar», justifica a SPDV.

«Os dermatologistas, pratiquem ou não as técnicas de dermatologia cosmética, devem conhecer em profundidade esta matéria e toda a sua problemática», refere ainda a instituição. Além de especialistas das principais unidades hospitalares do país, o congresso conta também com a presença de especialistas internacionais.

Durante o evento, que decorre entre os dias 19 e 21 de abril no Hotel Sana Lisboa, serão apresentados casos clínicos e estudos sobre problemas como como o pênfigo vegetante ou o sarcoma de kaposi. «Serve este congresso como fórum de troca de conhecimentos e como arranque de um conjunto de acções formativas destinadas a assegurar conhecimento técnico adequado a todos os dermatologistas com interesse na matéria», refere ainda a direção da SPDV.

artigo do parceiro:

Comentários