Fazer-te crescer

A escrita não é o destino, é o caminho

Ao princípio era estranho. Depois comecei a encarar com naturalidade o facto de despertar muitas vezes com a voz do pensamento a pronunciar convictamente uma certa palavra ou frase. Agrada-me bastante esta colaboração criativa que me chega do limbo da passagem do modo off ao modo on.

O que não era costume era que me chegassem as pérolas numa outra língua, como aconteceu hoje com o: (je) "te grandis."

Não me lembro de ter usado tal verbo, ontem, nas conversas literárias-filosófico-boémias que tanto me agradam. O certo é que acordei com o "quero fazer-te crescer" a soar como um despertador.

Pensava que escrevia para dar sentido à minha vida, numa espécie de adaptação livre do "live to ride, ride to live" em "viver para escrever, escrever para viver." Esta manhã fiquei a pensar que a escrita não é o destino, é o caminho! O objetivo não é escrever por escrever, comunicar por comunicar: é transmitir conteúdos que funcionem de facto como uma poção mágica de evolução e crescimento.

Fazer-nos crescer é, portanto, não só o mote do meu regresso à consciência no dia de hoje, como o resumo de tudo o que importa de facto. E crescer pode ser tão simples como pensar simplesmente que "está tudo bem, eu vou conseguir."

Ana Amorim Dias

artigo do parceiro: Ana Amorim Dias

Comentários