Suba a escada do sucesso

Se fosse uma marca, como gostaria de ser percecionado pelo mercado? Encontre a resposta com a ajuda de dois especialistas em marketing pessoal e melhore a sua vida.

«Se a sua empresa fechasse portas amanhã, quem é que iria realmente sentir a sua falta e porquê? (...) Consegue identificar um segmento operacional da sua empresa cuja falta seria intensamente sentida no mercado? Se não for capaz, consegue encontrar uma boa razão para a sua empresa não estar a correr o risco de desaparecer?», pode ler-se. As perguntas encontram-se em «Mavericks no trabalho – Por que é que as mentes mais originais ganham nos negócios».

Publicada no final da década de 2000,  continua a ser umas das obras que dão acesso ao seleto clube dos bem sucedidos. Agora humanize as questões, focando-as em si. Se desaparecesse do mercado (da sua empresa) quem iria sentir a sua falta? E o que pode fazer para não desaparecer? Imaginar-se como um negócio, mais do que uma reflexão curiosa, é um instrumento extremamente útil.

E é esse precisamente o ponto de partida do marketing pessoal, cujo grande desafio explica Eliane Doin, publicitária e formadora nesta área, é responder à questão «O que fazer e como fazer para que as pessoas/empresas nos convidem a ser parte da sua vida?». A resposta não é simples mas, de seguida, vamos ajudá-lo a descobrir o que pode fazer para dar um novo impulso à sua vida profissional.

Eu, SGPS

Competição, excelência, diferenciação. Estes conceitos que norteiam o desempenho das empresas são precisamente os mesmos que determinam a sua performance no mercado de trabalho. Somos actualmente, como defende Tom Peters, guru do branding, «os presidentes executivos das nossas próprias empresas, as Eu, SGPS. Para ter um negócio hoje, a tarefa mais importante é ser o principal responsável de marketing da sua marca».

Na opinião do especialista, a sua marca, para vencer/vender, tem de se afirmar, «ser credível, reconhecida, demonstrar que é competente, não bastando comunicar que o é. O marketing pessoal entende que o produto pessoa deve ser o mais ajustado possível às exigências do seu mercado, contribuindo para o desenvolvimento das empresas», explica Vicente Rodrigues, professor de marketing.

Utilizar este instrumento pode pois ser a diferença entre diluir-se na multidão e destacar-se dela, entre sobreviver e vencer. «Uma pessoa que conhece as suas competências e talentos é capaz de se viabilizar em qualquer situação. Não vê obstáculos intransponíveis», diz Eliane Doin. «Sabe que, com determinação e correção, chegará onde pretende», defendeu já publicamente.

«Quem pratica o bom marketing pessoal possui maior autoconfiança e elevada autoestima, dois ingredientes importantíssimos para o sucesso profissional», acrescenta esta especialista. Veja também a galeria de imagens com 7 (maus) hábitos que roubam tempo e energia no trabalho.

Veja na página seguinte: Como elaborar o seu plano de marketing pessoal

Comentários