Sete mitos sobre os gastos de eletricidade

Conheça alguns mitos sobre os gastos de eletricidade e saiba como poderá poupar.

Com a chegada do tempo frio é normal que sinta um pico do consumo de energia na sua conta de eletricidade. Os aquecedores, o forno ou até o facto de passar mais tempo em casa levam a que utilize mais energia e, por isso, não é de estranhar que a sua fatura mensal aumente. No entanto, existem alguns erros que pode estar a cometer na utilização de certos equipamentos e que se refletem no aumento de consumo de energia. Tendo em conta esta realidade, conheça alguns mitos sobre os gastos de eletricidade e saiba como poderá poupar.

  1. Quanto mais alto está o termostato, mais depressa o quarto aquece

Quando o frio aperta, muitos consumidores sentem-se tentados a ligar o termóstato dos seus aquecimentos no máximo para que desta forma as suas casas aqueçam mais rapidamente. No entanto, não se esqueça que se optar por colocar o termostato na temperatura máxima será necessária mais energia para atingir a temperatura pretendida. Por isso mesmo, é aconselhável que opte por ligar o seu sistema de aquecimento numa temperatura mais amena, de forma a não gastar energia em excesso.

2.Suspender o computador durante a noite não gasta energia

Se não tem por hábito desligar o seu computador durante a noite, saiba que está a desperdiçar energia. Não se esqueça de que a opção “suspender” implica que o computador tenha de estar pronto a trabalhar imediatamente depois de ter sido dado o comando. Por isso mesmo evite a tentação de usar esta opção durante um longo período de tempo. Leia também o artigo “Saiba como escolher um computador”.

3.Os carregadores não gastam energia quando estão ligados à ficha, só quando estão a ser utilizados

Quando ligados à ficha, os carregadores de telemóveis continuam a gastar energia, mesmo que os consumidores tenham já retirado os telemóveis destes aparelhos. O mesmo se passa quando deixa os eletrodomésticos em stand-by. De acordo com um estudo da Uswitch, 76% das famílias deixam vários eletrodomésticos em stand-by o que prejudica a sua conta de eletricidade no fim do mês. Leia também o artigo “Seis dicas para poupar nas telecomunicações”.

4.Não há nada que possa fazer para diminuir a energia gasta pelo frigorífico, máquina de lavar roupa ou lavar loiça

É um outro mito. Existem pequenos gestos do dia-a-dia que podem fazer toda a diferença. Por exemplo, ao abrir por pouco tempo a porta do frigorífico ou do congelador está a reduzir a quantidade de ar quente que entra e que precisa de ser arrefecido, e como tal, estará a poupar energia. Se preferir pode ainda utilizar as preferências económicas (eco) na sua máquina de lavar roupa ou de lavar loiça que ajudam a reduzir a energia utilizada para conseguir aquecer a água. Leia também o artigo “Como poupar dinheiro na cozinha”.

5. As lâmpadas LED são mais caras

É verdade. Mas no longo prazo, o investimento nestas lâmpadas mais do que compensa. Apesar de serem mais caras, as lâmpadas LED tem uma duração bastante superior às lâmpadas tradicionais. Além disso, podem representar uma poupança de 80% na conta de eletricidade, de acordo com o site financeiro Moneywise. Apesar de cada lâmpada LED ter um custo de 10 euros aproximadamente ela pode durar até cinco anos e meio se estiver constantemente ligada. Para mais informações leia também o artigo “Sete ideias para poupar energia” .

6. Limpar as bobinas condensadoras do frigorífico aumenta a eficiência

Limpar o frigorífico é um hábito comum entre os consumidores. Mas existe a crença de que ao proceder à limpeza da parte de trás dos frigoríficos (onde estão situadas as bobinas condensadoras do equipamento), consegue-se preservar a eficiência energética destes eletrodomésticos. No entanto, segundo alguns estudos, limpar a parte traseira dos frigoríficos não traz quaisquer vantagens energéticas. Ainda assim, não deve ser por esta razão que deve deixar de limpar o frigorífico. Esta limpeza é essencial para livrar-se de manchas e odores. Leia também o artigo “10 Dicas para poupar em casa”.

7.É difícil mudar de fornecedores de energia

Com a entrada em vigor do mercado liberalizado de energia e com o surgimento de novos operadores, o processo de transição de fornecedor de energia tornou-se mais ágil. Aliás, para quem ainda não transitou para o mercado liberalizado tem mesmo de mudar de operador/tarifário até ao final de 2015. De acordo com dados da Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos (ERSE), o mercado livre de eletricidade conta já com mais de três milhões de clientes.

Para fazer a mudança, é necessário que verifique quais os preços praticados por todos os operadores presentes no mercado. Utilize o simulador da ERSE para comparar os diversos tarifários e escolher aquele que mais se adequa ao seu perfil de consumo. Saiba ainda que nestes casos, não é necessário a mudança de contador uma vez que este pertence ao distribuidor e não ao comercializador. Ainda assim, poderá ter que alterar o contador se existir alteração no perfil do consumo. Leia ainda o artigo “Os novos critérios para aceder à tarifa social de eletricidade”.

 

Leia também os seguintes artigos:

- Conheça seis programas de televisão que ajudam a poupar

- Cinco dicas de poupança das nossas avós

- Seis conselhos para uma alimentação saudável low cost

Saldo positivo

artigo do parceiro:

Comentários