Será que vamos ter reformas?

Os últimos tempos trouxeram-nos muita discussão sobre o tema da sustentabilidade da Segurança Social, especialmente numa altura em que se aproximam as eleições.
créditos: ANTONIO JOSE/LUSA

Infelizmente, há estimativas de economistas para todos os gostos e parece-nos que não se chegará facilmente a conclusões. Neste artigo, não vamos focar-nos em nada mais do que o Bom Senso e falar-lhe do que fazer para ter uma reforma confortável.

Muito mudou nos últimos anos

Os últimos anos foram anos de grandes alterações culturais, sociais e demográficas. Todas estas alterações tiveram impactos em termos económicos e muitas terão mesmo sido originadas por alterações na estrutura económica.

Não nos vamos deter aqui sobre estas alterações em profundidade, mas queremos destacar algumas questões que nos parecem fundamentais:

  • Queda expressiva da taxa de natalidade;
  • Aumento da esperança média de vida;
  • Reformas antecipadas e pré-reformas concedidas de forma disparatada;
  • Caixa Geral de Aposentações mal financiada (ausência de contribuições da entidade patronal).
  • Desequilíbrios económicos crónicos que impedem o Pais de crescer e criar riqueza.

O que concluir destas mudanças?

Os sistemas de pensões públicos foram criados numa altura em que a economia crescia e numa época em que as pessoas (em média) não se reformavam. Adicionalmente, tínhamos um rácio muito grande de pessoas a trabalhar a financiar as pessoas mais idosas. Logo, o sistema de pensões acumulava excedentes (que depois vimos serem mal investidos, ou pelo menos investidos com critérios diferentes dos melhores interesses dos pensionistas).

O que tem de fazer para ter uma reforma?

Infelizmente, parece-nos cada vez mais evidentes que temos de ser nós a poupar por nós próprios se queremos ter uma reforma digna. E não estamos aqui a falar de privatizar ou deixar de privatizar a Segurança Social. No entanto, a única forma de garantirmos que o nosso dinheiro permanece no nosso bolso para nos financiar a reforma é através da poupança. E da poupança com recurso a contas poupança, produtos de investimento ou PPR. Podemos continuar a negar mas o certo é que teremos de poupar mais, mesmo que nos pareça impossível.

Quer umas dicas de poupança?

O Dr. Finanças já tem publicado diversos artigos sobre poupança e dicas para poupar aqui pelo Sapo. Para o ajudar, deixamos-lhe a referência a alguns artigos que poderão fazer toda a diferença no seu saldo bancário ao final do mês:

  • Como a Família Silva poupou mais de €600 com os seus créditos;
  • Como poupar nos Seguros;
  • Como construir o seu orçamento familiar e ganhar o controlo sobre o seu dinheiro.

Se para poupar tiver de cortar em alguma despesa menos importante, por que não tentar? Comece já hoje a acumular dinheiro no seu PPR e garanta que tem um futuro mais confortável!

artigo do parceiro:

Comentários