Poupar é um dever ecológico. Descubra porquê

O que tem a poupança a ver com a ecologia? Números e respeito pela natureza parece que não estão ligados entre si, mas será que é mesmo assim?

Poupamos porque os recursos são limitados

A razão pela qual poupamos é porque os recursos são limitados. Isto é, como não há uma fonte mágica que jorra dinheiro, sabemos que precisamos de nos acautelar com o que temos para equilibrar quando há menos. A poupança é uma decisão de abdicar de um consumo presente para poder ter mais liberdade financeira no futuro.

Também com a natureza temos de ter um profundo sentido de respeito pela finitude dos recursos. As árvores, os terrenos, o mar, os animais, tudo é finito e se não soubermos cuidar do mundo em que vivemos, vamos ficar no caos.

Não é só pelo facto de os recursos serem finitos, que a poupança e a ecologia estão relacionadas. Entre elas também há uma relação de causa-efeito.

Poupamos porque respeitamos o próximo

Quando conseguimos utilizar os recursos até ao seu limite estamos a otimizar a nossa gestão financeira e, em simultâneo, a demonstrar respeito pelo próximo. Repare que ao consumir um lápis até ao fim, ou a aproveitar as folhas de um caderno, ou mesmo a reutilização das folhas de rascunho para alguns apontamentos, em tudo isto estamos a conseguir que não seja preciso sacrificar tantas árvores, tanto carvão e outras matérias orgânicas. Esta postura, além de trazer mais dinheiro para nossa carteira, é uma postura de quem se preocupa com os outros seres que habitam no mesmo planeta e com aqueles que ainda estão por vir. Quanto melhor otimizarmos os recursos naturais, mais agradecidas ficarão as gerações futuras.

Poupamos também por nós

É evidente que o hábito da poupança não é apenas altruísta. O nosso bem-estar motiva-nos para sermos mais aplicados no esforço de poupança. Ter um objetivo alcançável é essencial para conseguirmos ter sucesso no propósito do aforro. Se deixamos de ter metas para atingir é mais provável que não cheguemos longe. Propormo-nos metas exigentes e ir auditando se estamos no bom caminho são as condições necessárias para que o sonho de conseguir poupar, seja uma realidade mais imediata do que pensamos.

João Raposo

joao.raposo@reorganiza.pt

artigo do parceiro:

Comentários