Oito resoluções financeiras para 2014

Conheça algumas sugestões que podem tornar a sua vida financeira mais saudável neste novo ano.

O início do ano é altura de tomar decisões e pôr em prática algumas resoluções mais difíceis. Deixar de fumar, perder peso ou começar a fazer exercício estão entre as mais comuns, mas também é importante cuidar das suas finanças. A crise permanece e quanto mais preparada estiver para os embates que se avizinham, melhor. Há alguns aspetos para os quais deve estar especialmente alerta, como a reforma, a saúde e educação. Conheça oito decisões que deverão acompanhá-lo ao longo do ano em nome de umas finanças em ordem.

1. Preparar a reforma

O ano de 2014 traz más notícias para os reformados e para os que estão prestes a chegar lá. Se ainda não tem um pé-de-meia os seus anos dourados é altura de começar a pensar nisso. Dizem os especialistas que devemos destinar 10% do rendimento para a reforma, no entanto, se já vai começar tarde deverá poupar mais do que isso.

2. Faça um orçamento familiar:

É a versão financeira da dieta e está para a saúde financeira como uma alimentação correta está para a saúde física. Olhe para o extrato bancário dos últimos meses, veja o dinheiro que saiu e o que entrou e se estiver a gastar mais do que ganha está na altura de fazer uns ajustes e começar a poupar.

3. Poupe para a educação dos seus filhos:

As notícias sobre os cortes na educação não têm sido muito animadoras para quem tem filhos em idade escolar: o ensino básico, secundário e superior tem sido alvo de cortes de investimento. Por isso, o melhor é preparar-se para o pior e começar a poupar para que o dinheiro não seja impedimento para os estudos do seu filho. Comece por estimar quanto é que irá gastar na educação do seu filho e calcule quanto é que teria de poupar por mês para alcançar esse valor. Contabilize despesas de deslocação, aquisição de material escolar e até de alojamento, caso opte por estudar fora.

4. Invista as suas poupanças:

Tão importante como poupar é investir. Proteja-se do “bicho da inflação” que pode “comer” o dinheiro que tanto lhe custou a amealhar. Embora as previsões do Banco de Portugal apontem para uma inflação em 2014 inferior à de 2013 (1,1%), é importante que invista o seu dinheiro em produtos financeiros que ofereçam taxas de juros líquidas (depois de impostos) superiores a 1,1%. Se gosta de jogar pelo seguro recorra aos depósitos a prazo, fundos de investimento que apostam em obrigações ou certificados do Estado. Se se atrever a um pouco mais, procure os fundos de ações ou os mistos (obrigações e ações).

5. Faça um seguro de saúde:

Este é sempre um tema sensível, mas tendo em conta as notícias sobre o aumento do tempo de espera nas urgências dos hospitais públicos e para realizar exames médicos, talvez seja uma boa altura para investir num seguro de saúde. Antes de subscrever um seguro, pesquise sobre as ofertas disponíveis no mercado e escolha aquela que melhor se adequa às suas necessidades e possibilidades financeiras. Neste processo tenha especial atenção às características do produto, nomeadamente coberturas, exclusões, franquias e períodos de carência.

6. Faça um fundo de emergência:

Fazer um fundo de emergência é um conselho clássico nas dicas de finanças pessoais saudáveis. Este fundo deverá ser constituído por uma poupança equivalente até seis meses do valor de despesas fixas. Mas tendo em conta a crise económica há especialistas a defender que o fundo deverá conter uma poupança suficiente para cobrir as despesas do agregado familiar durante um ano. Este dinheiro apenas deverá ser mexido em caso de urgência, como o desemprego, um problema inesperado de saúde que exija uma grande quantidade de dinheiro, ou um arranjo de automóvel que não estava à espera.

7. Reutilize:

Poupar tem sido a palavra de ordem nos últimos anos e uma boa forma de o fazer é através da diminuição dos desperdícios. Faça o reaproveitamento de tudo o que tem em casa. Isto é válido para a preparação das suas refeições, mas também funciona com as peças de roupa velhas, ou ainda quando estiver a preparar a época de regresso às aulas dos seus filhos.

8. Invista em si:

Aposte em si e na sua formação, isto aplica-se tanto ao nível profissional como pessoal. Mesmo que esteja empregada, faça cursos relacionados com a sua área profissional ou que possam ser uma mais-valia para a empresa onde trabalha. Também deverá aprofundar os seus talentos (cozinhar, desenhar roupa ou fazer bricolage) e, quem sabe, aproveitar para pôr essa aptidão ao serviço dos seus rendimentos.

Leia também os seguintes artigos relacionados com o mesmo tema:

- 10 Sites para gerir melhor as suas poupanças

- Calculadora: Descubra quanto tem de poupar para ser milionário?

- Como lidar com o stress financeiro provocado pela crise

artigo do parceiro:

Comentários