Luísa Magalhães Ramos

Realizou o seu sonho de criança quase há dez anos e não pode estar mais feliz com a sua profissão. Luísa Magalhães Ramos é cirurgiã plástica por vocação e sobretudo por paixão. Casada, com uma filha de quatro anos, ainda gostaria de aumentar a família

Sempre quis ser médica?

Sim, desde criança que sonhava com isso. Na altura em que fui para medicina as médias eram elevadíssimas, porque havia menos faculdades de medicina e as vagas eram pouquíssimas. Foi um objetivo muito ambicioso mas que eu consegui realizar.

É natural de Lisboa?

Não, sou do Porto e estudei lá na Faculdade de Medicina da Universidade do Porto que continua a ser a faculdade com a média mais alta do País.

Descobriu que queria ser cirurgiã plástica em que altura?

A minha vocação sempre esteve relacionada com a beleza, por isso só podia ser dermatologista ou cirurgiã plástica. Quando fui para medicina já ia focada nessas duas especialidades porque sempre me interessou a sua vertente estética.

Gosta de ver as pessoas mais bonitas?

Adoro. Por isso sempre imaginei que um dia ia seguir uma destas duas especialidades: cirurgia plástica ou dermatologia, esta última especialidade também tem uma forte componente de beleza porque trata a pele embora de uma forma mais leve. Claro que a minha intervenção é muito mais ativa, ou seja, a cirurgia plástica atua de uma forma mais drástica, com resultados mais visíveis.

Fez a especialidade em Lisboa ou no Porto?

Ainda estive dois anos no Porto a fazer internato geral e depois vim para o Hospital de São José, em Lisboa, fazer a especialidade.

Quando acabou a especialidade começou logo a trabalhar sozinha?

Fui a primeira cirurgiã plástica em Portugal a assumir imediatamente após a conclusão da especialidade que não ia trabalhar mais num hospital público, e abri de imediato o meu consultório privado no Saldanha e depois vim para as instalações atuais, Consultório de Cirurgia Plástica Luísa Magalhães Ramos, na Avenida Miguel Bombarda, integrado no centro MECA, Medicina, Enfermagem, Cirurgia Ambulatória.

Faz aqui as suas cirurgias?

Sim. Dispomos de bloco operatório.

Gosto de todas mas tenho-me dedicado sobretudo às mulheres que já foram mães e que precisam de recuperar as suas maminhas e barriguinhas. Não é propriamente uma subespecialidade mas é a área em que estou mais focada talvez por ser mulher e por perceber melhor as alterações que nós sofremos depois de termos filhos.

Que outro tipo de procedimentos costuma fazer?

Desde os minimamente invasivos como Peelings, Preenchimento e Botox, como os habituais de cirurgia plástica – Mamoplastia de aumento, Lipoaspiração, Rinoplastia, Lipoescultura, Abdominoplastia, Otoplastia, Ginecomastia, entre outros.

Sente que o facto de ser mulher aproxima mais as mulheres?

Sinto. É um pouco como a ginecologia que no início só tinha homens. Hoje há cada vez mais mulheres nas duas especialidades o que permite uma maior possibilidade de escolha.

Qual é a maior inovação da sua clínica?

Prestamos um serviço inovador às mulheres que procuram sobretudo intervenção na mamoplastia de aumento e também àquelas que têm as maminhas descaídas. Acabo de receber um equipamento único em Portugal com uma câmara que capta a imagem em 3D e que está associado a um programa de software altamente sofisticado, e, com isso, permite simular o resultado da cirurgia.

As mulheres podem ver o resultado da cirurgia nelas próprias antes da intervenção?

Exatamente! Essa é a grande inovação do novo equipamento que acaba de chegar dos Estados Unidos. Ao visualizar a imagem, a mulher pode escolher o tamanho das maminhas o que lhe dá uma enorme confiança antes de entrar no bloco operatório.

Nos últimos tempos é um rosto assíduo do programa da TVI, Você na TV. Tem sido gratificante esta experiência?

Muito. Temos uma parceria com o programa e somos chamados a ajudar algumas mulheres, a melhorar a sua imagem e a sua auto-estima.

Como é a sua vida pessoal?

Sou casada, tenho uma filha com quatro anos.

Gostava de dar um irmão à sua filha?

Até gostava de ter mais, mas estas coisas nem sempre são como nós queremos.

Ainda sobra tempo para si?

Muito pouco. Corro quando consigo e estou a fazer um esforço enorme para ir, pelo menos, uma vez por semana, ao ginásio, e depois tenho o meu marido.

Também é médico?

Não. É engenheiro.

Que programas faz com a sua filha?

Faço as coisas que ela gosta: vamos ao cinema, andamos de bicicleta e brinco com ela. A minha filha gosta de coisas simples, de passear, de sair de casa,  de ir às compras comigo, e é muito bem disposta.

Tem algum hobby?

Não. Tenho muito trabalho.

Um trabalho que lhe dá muito prazer.

Sem dúvida. Na realidade não é um trabalho, sou uma privilegiada porque não me levanto todos os dias a pensar no fardo que é ir trabalhar! Tenho esta enorme vantagem de conhecer todos os dias pessoas diferentes e de fazer o que mais gosto, que é operar!

Pessoas e casos diferentes todos os dias.

Cada caso é um caso e obviamente que tentamos dar sempre o nosso melhor e superar as expectativas das pessoas. É isso que me dá gozo.

Está a subir o número de homens a recorrer à cirurgia plástica?

Sim, mas prefiro tratar mulheres, são mais diretas naquilo que pretendem, embora também opere muitos homens...

Já não se imagina a fazer outra coisa?

Sem dúvida que não. Sinto-me completamente feliz e realizada com o meu trabalho.

Texto: Palmira Correia

Comentários