Aprender a reduzir despesas

Descubra como baixar a fatura dos custos fixos mensais

Aprender a otimizar o orçamento doméstico pode proporcionar pequenos resultados ao final do mês (especialmente, se é uma consumidora atenta), que se podem revelar compensadores ao final do ano e até ao longo dos anos.

Comece por analisar cuidadosamente o seu orçamento familiar para saber quanto gasta e em que áreas.

De seguida, pondere as necessidades e adote estratégias de poupança racionais adequadas à sua família. Susana Albuquerque e Joaquim Madrinha, especialistas em finanças, dizem-lhe quais são as mais eficazes e indicam conselhos que se traduzem em ganhos efetivos.

ÁGUA

O preço do fornecimento de água é fixado pelos municípios e, por isso, varia consoante a zona do país. Não é possível obter um tarifário mais económico (a não ser que mude de área de residência). No entanto, se fizer um consumo inteligente da água, conseguirá baixar a fatura ao final do mês.

Como reduzir o consumo

Susana Albuquerque aconselha:

- «Regue as plantas de manhã ou à noite e, se tem jardim, utilize um sistema de rega automática em vez de mangueira».

- «Na lavagem do carro, deve substituir a mangueira pelo balde de água e pela esponja».

- «Se lava a loiça à mão, não deixe a torneira a correr. Quanto às máquinas de lavar loiça e roupa, utilize-as sempre com a carga máxima e use redutores de caudal nas torneiras».

Joaquim Madrinha refere, ainda, a importância de «explicar às crianças que a água custa dinheiro e de fazer economia de escala, colocando os mais pequenos a tomar banho juntos».

Quanto pode poupar:

- 220 litros por dia, se tomar duche em vez de banho de imersão.

- 44 litros por dia, se fizer a barba ou lavar os dentes sem a água a correr.

- 46 litros por dia, se reparar as torneiras que pingam.

TELECOMUNICAÇÕES

Os especialistas em finanças estão de acordo: não deve pagar por aquilo que não precisa ou não utiliza. Isto é válido, por exemplo, para o número de canais televisivos ou para a velocidade de Internet da operadora que contratou.

Como pagar menos

«Analise as ofertas das operadoras no mercado e escolha de acordo com o que pretende utilizar. Os serviços que contratar devem adaptar-se às suas necessidades específicas», alerta Joaquim Madrinha. Tal como no mercado energético, aqui também existem ofertas por pacote de vários serviços, incluindo televisão, telefone fixo e internet.

No site da ANACOM, em www.anacom.pt/tarifarios, encontra vários simuladores que a ajudam a escolher o melhor tarifário de fornecimento de Internet, televisão, telemóvel e telefone fixo para o seu caso.

Susana Albuquerque sugere que «compare os preços entre operadores e os vários tipos de contrato, nomeadamente assinatura mensal, pré-pago. Se utiliza Internet, telefone e televisão por cabo, vale a pena contratar os três serviços ao mesmo operador».

Como reduzir o consumo

- Sempre que possível, use o e-mail ou as redes sociais para comunicar e reduzir os gastos com chamadas.

- Tenha em conta que os tarifários pré-pagos permitem um controlo mais eficaz dos custos.

LUZ E GÁS

A extinção das tarifas reguladas da venda de eletricidade e de gás natural obriga os consumidores a procurarem uma nova oferta em mercado livre, com a possibilidade de concentrarem ambos os serviços numa única fatura e, assim, encontrarem tarifas mais vantajosas.

Como pagar menos

Para comparar ofertas é necessário verificar alguns dados nas faturas, nomeadamente o escalão de consumo, o tipo de tarifa e a potência contratada. No caso da luz, existem três tarifas (normal,
bi-horária e tri-horária) e várias opções para potências contratadas. Quanto maior a potência, mais pagará.

No site da Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos, encontra um simulador que compara as ofertas dos vários fornecedores disponíveis, sugerindo-lhe a mais vantajosa para o seu caso. Antes de tomar uma decisão, pode, ainda, pedir às empresas que lhe apresentem uma proposta adequada ao seu caso concreto.

A mudança de fornecedor de gás natural e eletricidade é gratuita, não exige a mudança de contador e é acionada pela empresa com que celebrou um novo contrato de fornecimento de energia.

Como reduzir o consumo

- Prefira eletrodomésticos de eficiência energética classe A e utilize-os nos programas mais económicos.

- Substitua lâmpadas incandescentes por economizadoras.

- Invista num temporizador que desliga os eletrodomésticos do modo de stand by.

- Mantenha o congelador sem gelo e afaste o frigorífi co de fontes e calor.

- Desligue o fogão e o forno cinco minutos antes do tempo indicado (dez minutos para o ferro de engomar e para a máquina de secar roupa).

- Apague a chama piloto do esquentador (ou opte por um aparelho inteligente).

Quanto pode poupar

- Até 50 euros por ano, com a mudança para o mercado liberalizado, segundo a DECO.

- 40 euros por ano, se desligar os eletrodomésticos do modo stand by.

- 80 por cento do consumo energético, se trocar as lâmpadas incandescentes por economizadoras.

Tarifa social 

Os consumidores economicamente vulneráveis podem beneficiar de descontos legalmente previstos e consagrados nas tarifas sociais de eletricidade e gás natural e no ASECE – Apoio Social Extraordinário ao Consumidor de Energia. São economicamente vulneráveis todos os que beneficiem destas prestações sociais:

- Complemento solidário para idosos
- Rendimento social de inserção
- Subsídio social de desemprego
- 1º escalão do abono de família
- Pensão social de invalidez

Para beneficiar da tarifa social, terá de possuir um contrato em seu nome, destinado exclusivamente a uso doméstico em habitação permanente e com:

- Uma potência contratada até 4,6kV no caso da eletricidadez
- Consumo anual inferior ou igual a 500 m3 no caso do gás natural

Solicite a sua aplicação junto dos respetivos comercializadores de eletricidade e gás natural.

Texto: Leonor Macedo com Susana Albuquerque (coordenadora de Educação Financeira) e Joaquim Madrinha (jornalista especializado em finanças pessoais)

artigo do parceiro:

Comentários