Imagine uma nova história para a sua vida

Estas datas de transição servem para cairmos em nós e refletirmos sobre a nossa existência

O tempo voa e quando damos por isso, em sobressalto, questionamo-nos “É assustador, como o tempo passa depressa. Será que estou a viver aquilo que pretendo? Estou a aproveitar o tempo ao máximo…?” Ou “Não me sinto satisfeita com os resultados das minhas decisões. Estou com a sensação de estar a perder tempo com coisas supérfluas.”

Estas datas do ano, do nosso tempo, assim como o aniversário, servem este propósito a que podemos designar de propósito existencial. Onde caímos em nós, revemos a consciência e debatemo-nos com varias questões existenciais. Por outro lado, as rotinas, o stress, as corridas, os problemas, os impulsos do dia a dia, a que todos estamos sujeitos, não nos permitem refletir com profundidade e construtivamente, salvo excepções, sobre o propósito existencial.

Importa evocar o passado, pelas memórias e sensações, com vista a recordar o que fomos, o que fizemos, onde estamos e para onde nos dirigimos. Ao evocar o passado conseguimos o desapego, a retrospetiva e a aquisição de conhecimento. Ao longo deste processo, desassossegado e complexo, importa assumir a total responsabilidade pelas atitudes e comportamentos. O passado é sinónimo de mudança; alguns de nós mudamos de empresa, mudamos de parceiro/a, mudamos de emprego, mudamos de cidade ou país, observamos mudanças nas pessoas significativas (filhos, parceiros, colegas, amigos, etc.) mudamos determinadas características da nossa maneira de pensar e ser.


"O amor próprio é a coisa mais corajosa que podemos fazer ao longo da história da nossa vida"

Brené Brown

continua na página seguinte

Comentários