Está no controlo da sua vida? Ou sente que a sua vida o controla a si?

Estamos programados para agir de acordo com objetivos. Metas que delineamos para atingir certos patamares que vemos como sendo satisfatórios para o nosso futuro.

Estamos programados para agir de acordo com objetivos. Metas que delineamos para atingir certos patamares que vemos como sendo satisfatórios para o nosso futuro. Progredir no emprego, arrumar a casa, comprar um carro, saber cozinhar, ser a pessoa que sonhámos ser. Em comum, estas metas têm a característica de promover, em cada um de nós, motivação para focarmos e agirmos no seu sentido.

Mas, por vezes, os objetivos que traçamos controlam o que fazemos, o nosso tempo, as nossas relações e, em vez de estarmos a caminhar para o alcançar, estamos às voltas na nossa vida a tentar realizá-los. Sentimos que estamos a ser controlados pelos objetivos que não conseguimos alcançar e que, mesmo assim, não conseguimos largar, como se o nosso presente dependesse da realização dessa ideia.

É central para um bom funcionamento perceber estes objetivos como forma de nos colocar no rumo daquilo que queremos ser e fazer com as nossas vidas, levando-nos a controlar a nossa vida - e não o contrário -, promovendo a nossa realização pessoal.

Tendo em conta a importância que o traçar de objetivos tem para o nosso desenvolvimento enquanto pessoas, existem alguns cuidados que pode ter:

1. Seja realista nos seus objetivos
Para alcançar um objetivo, o primeiro passo é não “dar um passo maior do que perna”. Deve refletir sobre a sua capacidade e habilidade, a existência de oportunidades e como as fabricar, bem como a sua vontade e motivação para o alcançar de cada objetivo.

2. Pense em dias e não em anos
Alguns objetivos que temos demoram muito tempo a ser alcançados, ou são resultado de uma conjugação de muitos fatores, ou são tidos como algo que vai definir parte do que somos. Quando pensamos estes objetivos, é normal sentirmos que nos ultrapassam pelo seu tamanho, como se nos sentissemo engolidos por eles. Deve pensar nestes objetivos como sendo um total de várias tarefas mais curtas ou de pequenas metas, pensado no processo passo a passo que o levam a alcançar o sucesso desejado de algo maior. Pensar o dia a dia como o processo que resulta no terminar de um ano.

3. Aproveite as pequenas vitórias
Quando o pensamento está focalizado em algo maior, a tendência óbvia é ignorar as pequenas coisas. Mas, como dito anteriormente, os objetivos constituem-se de pequenas metas que têm de ser alcançadas para o resultado final ser o desejado. Deve viver cada vitória de alcançar estas metas com muita satisfação. São estes pequenos passos que o levarão ao sucesso, pelo que devem ser interpretados como importantes de igual forma.

4. Não se deixe abater pelos insucessos
No seguimento, não deve, também, encarar alguma derrota como falha total no percurso. Deixar-se abater pelo primeiro insucesso será um influenciador negativo na sua motivação e deve dar-lhe pistas sobre a forma de continuar o caminho do sucesso e não a pedra basilar da desistência no seu objetivo.

5. Não deixe de apreciar o presente por pensar no futuro
Seja qual for o seu objetivo, não deve viver em função dele. Por muito importante que seja o seu resultado e a influência que terá, não é hoje, no seu presente, que ele se manifesta. Deve viver o presente sem se preocupar muito com o futuro, pois, se se dedicar ao presente, irá formular adequadamente os seus objetivos, que lhe trarão o futuro desejado.

Tiago A. G. Fonseca
Psicólogo Clínico da Psinove – Inovamos a Psicologia www.psinove.com

artigo do parceiro:

Comentários