Como gerir a felicidade

É uma ambição comum a todos os seres humanos mas, à semelhança de todas as coisas boas, não dura para sempre. Apresentamos-lhe, por isso, estratégias para prolongar o bem-estar

Se quer preservar a sensação de bem-estar que a felicidade lhe oferece, precisa de estimular a resiliência, capacidade essencial para fazer face a situações desagradáveis que muito provavelmente irão acontecer. A boa notícia é que os nossos circuitos cerebrais se renovam ao longo da vida, pelo que estamos biologicamente preparados para reforçar os que são responsáveis pelas emoções positivas. É um aspeto da chamada neuroplasticidade.

Não se trata de reprimir as emoções negativas, mas de aprender a tirar partido das capacidades de adaptação do cérebro para concretizar o seu potencial. Eis dois caminhos que o vão ajudar a ser bem-sucedido nessa missão:

1º passo: Conheça-se a si mesmo

Tente ser o mais honesto possível e escreva as respostas que encontrar para as seguintes perguntas-chave que elaborámos com a ajuda de Vítor Rodrigues, psicólogo clínico:

- O que me faz realmente feliz? Esqueça o Euromilhões e o príncipe ou a princesa encantada e responda tendo em conta o contexto atual e/ou real da sua vida...

- O que posso mudar no meu comportamento que me ajude a ter uma vida mais equilibrada?

- Quais foram os momentos mais felizes da minha vida?

- Sou capaz de ser feliz sem partilhar a felicidade que sinto?

- Que momentos de felicidade desperdicei e me arrependi?

2º passo: Passe à prática

Agora que já percebeu o que o torna feliz, aprenda a fortalecer este estado emocional mesmo nos momentos de contrariedade. Tal Ben-Sahar, professor de psicologia positiva em Harvard, sintetiza as estratégias da felicidade que ensina aos seus alunos da seguinte forma:

- Não rejeite as emoções

Rejeitarmos as nossas emoções, sejam elas positivas ou negativas, conduz-nos à frustração. É exactamente quando concedemos autorização a nós mesmos para sermos humanos e vivenciarmos emoções dolorosas que temos maior probabilidade de estarmos abertos e viver emoções positivas.

- Conjugue propósito e prazer

Seja no trabalho ou em casa, deverá envolver-se em actividades que tenham significado para si e que, simultaneamente, lhe concedam prazer, nem que seja apenas algumas vezes por semana. Os estudos demonstram que uma hora ou duas de experiências recheadas de prazer e significado pessoal podem afectar a qualidade de um dia ou até de uma semana.

- Reaprenda a ler a realidade

À excepção de circunstâncias extremas, o nosso nível de bem-estar é determinado pelos aspectos a que decidimos dar maior enfoque e pela nossa interpretação dos acontecimentos. Por exemplo, encara os falhanços como algo catastrófico ou como uma oportunidade de aprendizagem?

- Simplifique e diga não

A quantidade influencia a qualidade e comprometemos a nossa felicidade ao tentarmos fazer demasiado. Saber dizer não aos outros muitas vezes significa dizermos sim a nós mesmos.

Veja na página seguinte: O hábito que deve cultivar e a ligação que deve respeitar

Comentários