Sene

Nativa do Norte de África, esta planta é, actualmente, o laxante mais utilizado em Naturopatia

O sene tem como princípios activos as antraquinonas (senosídeos A e B), que estimulam o trânsito intestinal de duas formas.

Em pouca quantidade, aumenta a concentração de água no cólon, reduzindo a absorção de líquidos por esta via (ao mesmo tempo, liberta prostaglandinas que, juntamente com o cálcio, estimulam as contracções do músculo intestinal). Se for administrado em grande quantidade, tem um efeito laxativo por irritação das paredes do cólon.

Um estudo publicado em 1993 no British Medical Journal, realizado em pacientes idosos, concluiu que o sene tem mais vantagens que a lactulose, com menos efeitos secundários e um preço mais reduzido, no tratamento da prisão de ventre.

Num estudo de 2010, realizado no departamento de Ginecologia e Obstetrícia da Universidade de Medicina de Connecticut, nos EUA, o sene foi administrado no pré e pós-operatório de pacientes sujeitos a reconstrução pélvica.

Os 48 pacientes que tomaram sene obtiveram a primeira evacuação, em média, ao fim de três dias, enquanto os 45 pacientes que tomaram placebo demoraram quatro dias a atingirem este resultado.

Principais propriedades

Está indicado no tratamento da obstipação de uma forma suave ou purgante, consoante a dosagem relacionada com a intenção terapêutica.

O sene é uma das plantas mais utilizadas para a obstipação, porque, já desde a década de 70, os estudos confirmam a sua eficácia, não só na obstipação mais comum, mas mesmo quando esta é provocada por outras causas tais como, pacientes com cancro a tomarem opiáceos, pessoas acamadas durante muito tempo devido a uma grande cirurgia, na preparação para cirurgia, com maior eficácia e menos efeitos secundários que outros laxantes.

Outras indicações

É um auxiliar no tratamento da obesidade. Tem ainda uma acção antioxidante, antiviral e antibacteriana ao nível do cólon.

Comentários