Reacções alérgicas a insetos

Picadas de abelhas e vespas causam 95 por cento das reações alérgicas a insetos.

Na Europa, mais de 95 por cento das reações alérgicas provocadas por insetos são resultantes da picada de abelhas e vespas. Os mosquitos, moscas, pulgas e percevejos podem provocar reações quase sempre locais não provocando, habitualmente verdadeira alergia.

“Para um diagnóstico eficaz é fundamental conhecer a história clínica do doente, caracterizando o tipo de reação, identificando os fatores de risco individuais e também o inseto que provocou a reação alérgica.

Os testes cutâneos em picada são os métodos mais sensíveis de diagnóstico”, refere João Fonseca, Coordenador das Unidades de Imunoalergologia do institutocuf e hospitalcuf porto.

“A maioria dos insetos pica quando se sente em perigo, e com a chegada dos dias mais quentes tornam-se mais agressivos. Estas picadas podem resultar em diversos tipos de reação, desde a local (comichão, vermelhidão e inchaço), a local exuberante (com a vermelhidão e o inchaço a estenderem-se por grandes regiões do corpo a partir do local da picada) e ainda a sistémica. Esta última pode apresentar vários graus de gravidade, sendo o mais grave aquilo que se designa uma anafilaxia.

Esta reação caracteriza-se pela diminuição da pressão arterial, alterações do batimento cardíaco e distúrbios na circulação sanguínea, podendo conduzir a um choque anafilático e eventualmente à morte”, esclarece o médico.

Os doentes com história de reações sistémicas graves devem ser portadores de um dispositivo (caneta, seringa) de emergência contendo adrenalina para autoadministração de um anti-histamínico e corticosteroide que deve ser tomado imediatamente depois da picada.

Estes doentes devem ser referenciados para uma consulta de Imunoalergologia para avaliação e, se necessário, para tomar a vacina antialérgica.

Este tratamento também designado imunoterapia é o único tratamento capaz de prevenir futuras reações e é eficaz na prevenção das reações sistémicas em mais de 90 por cento dos casos.

Agradecimentos: Saúde Cuf

artigo do parceiro:

Comentários