Quando a transpiração nos incomoda

Por Humberto Barbosa, Especialista em Nutrição e Longevidade na Clínica do Tempo
Todos transpiramos, uns mais do que outros, e isso é um processo normal de limpeza e de arrefecimento corporal. A transpiração geralmente está dependente da temperatura interna (como nos casos de febre), da temperatura externa (ambiente) e também de estimulação nervosa, como é o caso de pessoas que transpiram devido a stresse ou emoções.



A transpiração é água com sais minerais e alguma percentagem de toxinas, substâncias nocivas e desnecessárias para o organismo (como o ácido úrico), libertada através dos poros da pele e produzida por glândulas específicas: as glândulas sudoríparas. Um dos problemas do suor é o seu odor. Por vezes pode conter um cheiro intenso e desagradável.



Vida social



O excesso de transpiração é outra situação que inibe muitas pessoas e lhes retira qualidade de vida. Este problema pode tornar-se grave e prejudicar inclusive a vida social. Chama-se hiperidrose, é a transpiração excessiva e pode afetar diversas partes do corpo, sendo as mais comuns as axilas, mãos e pés.



A hiperidrose é mais comum do que se possa pensar, atingindo muitas pessoas, algumas de tal forma que cria estados de vergonha e complexos. Nos casos mais intensos pode mesmo ser considerada uma leve doença. A vergonha é um sentimento comum nas pessoas com hiperidrose.



Este problema pode ser provocado por uma simples predisposição física, mas também por estados de stresse, ansiedade, emoção, fadiga, medo, qualquer choque psicoafetivo, como um encontro social, por exemplo, ou até mesmo pelo próprio receio de começar a transpirar excessivamente.



Excesso de transpiração



Mais de 200 milhões de pessoas em todo o mundo sofrem com o problema da hiperidrose, o excesso de transpiração. Até agora só era possível controlar o excesso de transpiração através de cirurgia ou de injeções de botox, a toxina botulínica.



Faltava uma solução não-invasiva, o único método que aceito utilizar na minha prática clínica. Foram cinco anos de busca por uma tecnologia que permitisse controlar a hiperidrose sem intervenção cirúrgica e agora, finalmente, nasceu o Body Sec, o método não-cirúrgico que permite desativar as glândulas sudoríparas, terminando com o excesso de transpiração.



Isto é conseguido com quatro sessões de 20 minutos, desativando grande parte dessas glândulas sem cortes, sem anestesia e sem tempo de recuperação. O método baseia-se em energia seletiva focalizada para uma desativação eficaz das glândulas sudoríparas, quer as mais superficiais, quer as mais profundas, através de radiofrequência específica.



Por Humberto Barbosa, Especialista em Nutrição e Longevidade na Clínica do Tempo
artigo do parceiro: Nuno Noronha

Comentários