Quando a cabeça dói e parece que vai explodir

Saiba mais sobre cefaleias, as comuns dores de cabeça que atormentam tantas pessoas, até crianças
É rara a pessoa que nunca tenha tido cefaleias, ou dizendo de forma mais popular, dores de cabeça. A sensação de pressão e o incómodo não são fáceis de gerir e dependem bastante do tipo de cefaleia. Trata-se de um mal tão comum que afeta qualquer pessoa, em qualquer idade. Até as crianças podem sofrer de fortes dores de cabeça, entre as quais as chamadas enxaquecas.
Os diferentes tipos de dor
As cefaleias caraterizam-se por uma sensação dolorosa na cabeça e tanto podem dever-se apenas ao stress, como a outros problemas mais graves como um traumatismo craniano ou a meningite.
As mais frequentes são as chamadas cefaleias de tensão. “Caraterizam-se por uma dor tipo pressão ou capacete, geralmente dos dois lados da cabeça, podendo estender-se à nuca e pescoço, piorando ao longo do dia, mas sem agravar com os movimentos ou esforços. Associam-se, assim, a situações de cansaço, stress, falta de repouso (não dormir bem ou não dormir o suficiente) e ansiedade”, segundo o Portal da Saúde.
Mas também existem as enxaquecas. Trata-se do segundo tipo de cefaleias primárias mais frequentes e habitualmente afeta apenas um lado da cabeça, sendo pulsátil, intensa, requentemente
incapacitante. Também costuma piorar com o esforço e pode estar associada a náuseas, vómitos, intolerância à luz (fotofobia), ao som (sonofobia) e a cheiros (osmofobia).
Existem diversos fatores que podem desencadear uma crise, tais como estímulos visuais (luz / movimento), cheiros intensos, tensão emocional/stress, esforço físico, álcool, jejum prolongado, entre outros.
“Algumas pessoas podem apresentar sintomas antes de dor, designados por “aura”, com alterações da visão (ver manchas negras, perder a visão num olho), sensação de formigueiros ou falta de força num braço”, pode ler-se ainda no Portal da Saúde.

Como se tratam as cefaleias
Quanto ao tratamento, nas cefaleias de tensão deve repor-se o sono em falta, descansar, realizar exercício físico e evitar situações de stress. Nalguns casos, é necessário conjugar estas alterações na vida com medicação antidepressiva, calmantes e relaxantes musculares. 
O tratamento das enxaquecas, nas situações agudas, necessita de medicação e em alguns casos, pode haver indicação para tomar medicamentos a longo prazo, para prevenir recorrência de novos episódios. Seja qual for o seu tipo de cefaleia, nunca é demais ter uma alimentação saudável, praticar exercício físico, evitar o stress e dormir as horas necessárias.

Jornal Saúde Notícias

artigo do parceiro:

Comentários