Pulmunária

Descubra como as propriedades desta planta podem melhorar o seu sistema respiratório

A pulmunária tem propriedades expetorantes e calmantes da tosse, bronquite crónica e resulta em alguns casos de asma.

A Pulmunaria officinalis L. é também conhecida por erva-dos-bofes, erva-leiteira de nossa-senhora e salsa-de-jerusalém.

Trata-se de uma herbácea vivaz da família das borragináceas.

A esta pertencem também a consolda (Symphitum officinalis), a borragem (Borrago officinalis) e a não-me-esqueças (myosotis scorpioides). Originária da Europa do Norte, gosta de locais húmidos e sombrios e terrenos calcários. Em Portugal continental, cresce sobretudo em Trás-os-Montes e no Minho, mas é bastante comum no Norte da Europa.

Os ingleses dão-lhe o nome de iungwort. Apresenta folhas largas, basais, ovais, peludas e ásperas, salpicadas de pintas brancas e mais claras na parte inferior. As flores desenvolvem-se em cachos reunidos em cimeiras terminais. São, inicialmente, avermelhadas mas vão mudando de cor,
tornando-se rosa-púrpura. Floresce a partir de março.

As folhas devem ser colhidas no fim da primavera, depois da floração. Segundo a teoria das assinaturas de Paracelso (1493-1541), segundo o qual cada planta seria eficaz para tratar os órgãos que se lhe assemelham, a pulmonária seria muito semelhante ao tecido pulmonar e foi por essa razão tradicionalmente recomendada para tratar vários problemas relacionados com os pulmões, incluindo a tuberculose.

Propriedades

Esta planta, que inclui alantoína, flavonoides, taninos, mucilagem, saponinos, quercitina e vitamina C na sua composição, pode ser utilizada para tratar problemas do aparelho respiratório, devido à ação dos saponósidos que lhe conferem propriedades expectorantes e calmantes da tosse e bronquite crónica e até alguns casos de asma, sobretudo se combinada com alteia ou tussilagem ou efedra, no caso específico de asma.

Pode ser utilizada para tratar inflamações da garganta e palpitações. Os taninos conferem-lhe propriedades adstringentes, sendo recomendada para tratar diarreias, hemorroidas e frieiras ou estancar o sangue das feridas, tendo ainda uma ligeira ação cicatrizante e antiséptica, podendo
usar-se externamente para contusões, equimoses ou feridas. A utilização em culinária não é comum.

Contraindicações

Produtos com esta planta não devem ser tomados por mulheres em período de gravidez aleitação nem por doentes hepáticos.

Texto: Fernanda Botelho

artigo do parceiro:

Comentários