Proteja a sua voz

Aprenda a cuidar daquele que pode ser um dos principais trunfos da sua imagem

Se a impressão digital nos pode identificar, a voz pode revelar muito da nossa personalidade, trair os nossos pensamentos e, até mesmo, descortinar a nossa sexualidade.

A voz é, por isso, uma forte componente da nossa vida pessoal e profissional, sendo possível, através dela, exprimir sentimentos, estados de espírito, vontades, prazeres e até medos, desconfianças e receios.

Há que, por isso, cuidá-la bem e protegê-la convenientemente. Conheça as suas características diferenciadoras e descubra os cuidados que esta não dispensa.

Imagem vocal

A voz é um instrumento poderoso que nos aproxima do outro e é capaz de denunciar o nosso estado de espírito, devendo por isso ser «adequadamente emitida e articulada de forma a permitir um eficaz convívio profissional e social», referem Pedro Amaral, otorrinolaringologista, e Maria do Rosário Luciano, terapeuta da fala.

Se a soubermos usar, pode constituir um trunfo em conquistas pessoais e profissionais, sendo possível recorrer a diversas estratégias de ênfase vocal, como, por exemplo, a mudança do volume.

Como é sublinhado pelos especialistas, «uma voz expressiva, fluente e bem colocada pode transmitir uma imagem muito positiva aos outros, enquanto se for trémula, monocórdica e baça dá uma imagem negativa, podendo interferir na análise de outros aspetos pessoais».

Mecânica da voz

As cordas vocais são o órgão-mãe da voz e localizam-se na laringe, também essencial à sua produção. Para o resultado final, contribuem também as musculaturas abdominal e do tronco, a grelha costal, os pulmões, a faringe, a cavidade oral e o nariz.

Deste modo, a produção da voz, coordenada pelo sistema nervoso central, requer a interação da fonte produtora de uma coluna aérea (pulmões e músculos), um modelador (cordas vocais) e uma caixa de ressonância (faringe, boca e nariz). É, por isso, comparável à produção de som de um instrumento de sopro, como o trompete, como explicam os especialistas.

«As cordas vocais funcionam como o trompetista, cujos lábios se abrem e fecham no bocal do instrumento, e o corpo do instrumento funciona como a caixa de ressonância à imagem das estruturas anatómicas referidas anteriormente». A produção das palavras é completada pelos movimentos da língua, dentes e lábios.

Fatores nocivos

Pedro Amaral e Maria do Rosário Luciano apontam como principais inimigos da voz «o consumo de medicamentos, drogas, tabaco, cafeína e álcool», ainda que também «as variações hormonais, as doenças do trato respiratório superior, o refluxo gastroesofágico e faringolaríngeo» interfiram na sua qualidade. A vida sedentária e o stress são fatores nocivos, bem como as variações de temperatura e o abuso e mau uso vocal, nomeadamente através de gritos desnecessários.

Os problemas decorrentes de alguns destes fatores podem implicar a necessidade de cuidados médicos especiais, bem como de aulas de voz e terapia da fala. «Sempre que haja uma patologia vocal, quer seja de etiologia orgânica ou funcional, as pessoas devem recorrer à terapia da fala, especialmente os profissionais da voz e quem faz mau uso do seu aparelho vocal», alertam.

Variação de tom

Também a voz sofre alterações ao longo da vida:

- A altura tonal é mais aguda no bebé. Com o crescimento das estruturas da laringe se vai tornando mais grave.

- Durante a puberdade, devido às alterações hormonais acontece a chamada muda vocal. O tom médio pode baixar 10 a 12 tons no sexo masculino e 10 tons no sexo feminino.

- Aos 18 anos, a voz atinge o estado adulto, embora haja ainda um refinamento a fazer para expandir as habilidades vocais.

- Na fase adulta, a voz continua a sofrer alterações provocadas pelas hormonas, como seja no período pré-menstrual e menstrual, gravidez e na menopausa.

- Os 65 anos marcam o declínio da voz.

Conselhos para uma voz saudável

Comportamentos que deve evitar:

- Falar muito alto
- Chorar ou rir excessivamente
- Falar com os dentes muitos cerrados
- Alterações bruscas do tom de voz
- Usar uma intensidade excessiva ou prolongada
- Falar com pouco ar
- Falar exageradamente
- Tossir excessivamente
- Gritar
- Sussurrar
- Falar em ambientes secos, empoeirados ou ruidosos
- Falar excessivamente durante quadros gripais ou alérgicos
- Falar abusivamente no período pré-menstrual
- Falar muito após ingerir aspirinas, calmantes ou diuréticos

6 regras para cuidar bem da voz:

- Beber 7 a 8 copos de água por dia à temperatura ambiente
- Praticar exercício físico
- Consumir comida saudável (sem excesso de condimentos)
- Usar roupa confortável
- Descansar a voz após um período de uso excessivo

Dica

Para assegurar um bom funcionamento do aparelho vocal, mantenha a cabeça direita e fale pausadamente.

Terapia da fala

Sabia que, com a terapia da fala, é possível reaprender a utilizar corretamente o aparelho vocal. Esta envolve a identificação de comportamentos vocais inadequados, técnicas de relaxamento, de mudança de postura, controlo da respiração, eliminação do esforço laríngeo, modulação da intensidade e altura tonal, aprendizagem da técnica vocal e um programa de hidratação adequado.

Texto: Raquel Pires com Pedro Amaral (otorrinolaringologista) e Maria do Rosário Luciano (terapeuta da fala)

artigo do parceiro:

Comentários