Pacemakers de segunda geração em Portugal

Hospital José Joaquim Fernandes, em Beja, realiza o primeiro implante

O hospital de Beja realizou, no dia 14 de Janeiro de 2011, o primeiro implante de um pacemaker totalmente desenhado, testado e aprovado para ressonância magnética.

O Hospital José Joaquim Fernandes marca assim o início da colocação de pacemakers de segunda geração com tecnologia digital e com um algoritmo capaz de fazer a monitorização contínua de insuficiência cardíaca.

De acordo com Luís de Moura Duarte, médico cardiologista Responsável do Pacing, «até agora, os portadores de pacemakers não podiam utilizar com máxima segurança um dos principais meios de diagnóstico de doenças oncológicas e neurológicas, o exame de ressonância magnética. Este dispositivo vem trazer nova esperança aos portadores de pacemakers, que a partir de agora vão poder realizar exames de ressonância magnética de corpo inteiro sem qualquer limitação».

Na Europa, aproximadamente dois milhões de pessoas já colocaram pacemakers e, segundo um estudo realizado, estima-se que 50 a 75 % dos portadores deste dispositivo médico em todo o mundo venham a necessitar de realizar uma ressonância magnética ao longo da sua vida. Contudo, até agora, já foi recusada a realização de exames de ressonância magnética a muitos doentes devido à possível ocorrência de arritmias, eventual danificação do pacemaker e risco de morte.

«Uma vez que a aplicação da ressonância magnética é crescente (a partir dos 65 anos a possibilidade de realizar um exame destes duplica) e muitas vezes insubstituível no diagnóstico, é fundamental a introdução de um sistema de pacing de segunda geração, que possibilite o acesso ilimitado à ressonância magnética por parte dos portadores de pacemakers», conclui Luís de Moura Duarte. Para saber mais sobre este aparelho de segunda geração clique aqui.

artigo do parceiro:

Comentários