O poder da naturopatia

O que a ciência já descobriu sobre os benefícios das plantas medicinais no tratamento de doenças

Prevenir e tratar a doença com recurso a plantas medicinais é o objetivo da naturopatia. Esta é, a par da fitoterapia, acupuntura, homeopatia, osteopatia e quiroprática, uma das medicinas naturais reconhecidas pelo estado português, desde 2003.

O conjunto destas medicinas não convencionais é designado pela Organização Mundial de Saúde como medicina complementar e/ou alternativa.

Esta caracteriza-se por não utilizar produtos de síntese química no tratamento das patologias, mas apenas substâncias naturais. Entre neste mundo e descubra todos os benefícios que a natureza lhe oferece. Desde 2006, todos os meses, João Beles, naturopata, tem dado a conhecer aos leitores da Prevenir algumas das principais plantas medicinais utilizadas pela naturopatia.

A compilação desses textos, em conjunto com a pesquisa de novos estudos científicos que comprovam as aplicações terapêuticas dessas plantas, resultou no livro recentemente editado «Naturopatia – A Natureza Cura a Natureza», publicado pelas Edições Mahatma. Um guia de A a Z de plantas medicinais recheado de receitas caseiras com bases científicas, como as que selecionámos para si.

Problemas gastrointestinais

Açafrão-da-índia, aipo, alcachofra, alecrim, coentros, espargos, hortelã-pimenta, linhaça, lúcia-lima e papaia são algumas plantas indicadas para o tratamento de problemas gastrointestinais. Numa investigação realizada em pacientes com síndrome de cólon irritável, publicado na revista Digestive and Liver Disease, concluiu-se que a
hortelã-pimenta deve ser o tratamento de primeira linha para aliviar os sintomas gerais e melhorar a qualidade de vida destes pacientes. Acompanhe as refeições mais pesadas com uma salada temperada com coentros ou alecrim.

Doenças reumáticas

Abacate, açafrão-da-índia, aipo, harpalo, ulmária, ananás, alcaçuz, papaia e salgueiro-branco são plantas medicinais reconhecidas pelo seu poder analgésico e anti-inflamatório, importante no tratamento destas patologias. Num estudo publicado na revista Rheumatology, a utilização de 1600 mg de salgueiro-branco, ao longo de quatro semanas, em pacientes com lombalgia, provou ser tão eficaz quanto o fármaco rofecoxib.

Comentários