Hiperactivos com final feliz

Um distúrbio que afecta a aprendizagem e desenvolvimento

Não são apenas irrequietas e desatentas. A Perturbação de Hiperactividade e Défice de Atenção provoca sofrimento e incapacidade nas crianças. Não existem testes específicos para o diagnóstico, mas isso não é desculpa para análises não fundamentadas. Cabe aos profissionais habilitados a avaliação criteriosa dos sintomas e aos pais a sensibilidade para lidar com este distúrbio que afecta a aprendizagem e desenvolvimento.

“Cada criança é uma história por contar. Por vezes, o Capuchinho Vermelho perde-se no bosque e não há beijo que resgate a Bela Adormecida. Para muitas crianças, a sua história pode não terminar bem, e não viverem felizes para sempre”.

Se é pai certamente estremeceu ao ler a frase de Nuno Lobo Antunes na introdução ao seu livro ‘Mal-Entendidos’. É difícil para qualquer progenitor conceber um final que não seja no mínimo maravilhoso e encantador para os seus descendentes. O neuropediatra e director clínico do Centro de Apoio ao Desenvolvimento Infantil (CADIn) não pretende, contudo, ser a ‘bruxa má’, mas deixar um alerta para um problema que afecta “entre 5 a 7 por cento das crianças em idade escolar”. E por isso o médico explica que o livro – que aborda uma série de perturbações de desenvolvimentos entre elas a hiperactividade - destina-se aos que não se resignam a um final assim/assim e procuram o desenlace que merecem, sem nunca deixar “o espelho mágico dizer a nenhuma criança que há alguém mais belo do que ela”.

Comentários