Gene 3 do cancro da próstata: o diagnóstico do futuro

Conheça a incontornável exatidão deste exame prostático

O Gene 3 do cancro da próstata é o primeiro marcador molecular que pode contribuir para minimizar os problemas cancro da próstata e melhorar o seu diagnóstico.

Ao contrário do PSA, o gene do PCA3 é específico do cancro da próstata, só sendo expresso no tumor prostático. Ao contrário do PSA, o gene do PCA3 é expresso em mais de 95 por cento dos tecidos prostáticos carcinomatosos, quando comparado com o tecido prostático tumoral benigno e com o tecido prostático normal do mesmo doente.

O PCA3 não é afetado pelo tamanho da próstata, mas apenas pelo tamanho da massa neoplásica prostática e pela agressividade tumoral.

O seu valor preditivo positivo (VPP de 75 por cento) é pelo menos o dobro do VPP do PSA (VPP de 38 por cento).

Este novo ensaio deteta a presença de mRNA do gene PCA3 e mRNA de PSA a partir de uma amostra de urina, utilizando um método de amplificação mediada por transcrição (TMA). Este ensaio apresenta uma excelente exatidão.

Recolha da amostra

Este ensaio deteta a presença de RNAmPCA3 na primeira urina (cerca de 20 a 30 ml), recolhida logo após o toque retal, para tubo especial de transporte. O toque retal é necessário para que se libertem células prostáticas para a urina. As amostras são estáveis a 2 a 8ºC durante 14 dias.

Indicações para determinação PCA3:

• Para os doentes que sejam considerados de Alto Risco para cancro da próstata (história familiar, exame físico, valor de PSAt/PSA livre).
• Antes da primeira biópsia ou quando se vai ser sujeito a uma nova biópsia. Um resultado dePCA3 pode ser clinicamente significativo.
• Para doentes que tenham feito uma ou mais biópsias inconclusivas.

Deve ser utilizado como ferramenta de rastreio?

Estudos comparativos com o PSA sérico ainda estão em curso. Como tal, ainda não é possível afirmar que o PCA3 possa ser usado como exame de primeira linha, mas a coexistência de um valor elevado de PSA e um PCA3 positivo devem ser considerados como clinicamente significativos.

Comentários