Fármacos contra a febre e a dor

Os principais medicamentos de venda livre no mercado

 O inverno favorece as gripes, constipações e febre. Em casos mais simples, uma ida à farmácia pode resolver o problema, desde que se cumpram regras essenciais que salvaguardam a sua saúde.

Com a ajuda da farmacêutica Cristina Azevedo e do livro «Os meus medicamentos» (Texto Editores) de José Aranda da Silva, de Carlos do Amaral Souto e de Sérgio de Palma Vilão, traçamos-lhe o perfil de três susbtâncias ativas de medicamentos para a febre e dor não sujeitos a receita médica.

Paracetamol

É indicado em caso de dor ou febre, síndromes gripais, cefaleias e/ou enxaquecas. Não tome sem consultar o seu médico, caso esteja a tomar medicamentos anticoagulantes, antiepiléticos ou se sofre de perturbações da função hepática, de insuficiência renal persistente, de alergias, se está grávida ou a amamentar.

Este medicamento não deve ser tomado em situações de febre alta (superior a 39º C), febre que dura há mais de três dias ou de forma recorrente. Contacte o médico se tiver uma reação alérgica grave (vermelhidão, urticária, comichão, dificuldade respiratória e/ou aperto no tórax), pele ou olhos amarelos, urina escura ou em caso de fadiga incomum.

Ácido acetilsalicílico

O ácido acetilsalicílico é indicado em caso de dor, febre e inflamação. Não tome este medicamento sem consultar o seu médico caso esteja a tomar anticoagulantes, fármacos anti-inflamatórios não esteroides (como ibuprofeno), antidiabéticos orais ou, em caso de asma, alterações da coagulação, pólipos nasais, doença hepática ou renal, úlcera gástrica, azia, dor de estômago, alergias, gravidez ou amamentação.

Não tome este medicamento durante mais de sete dias após qualquer cirurgia ou durante mais de 10 dias para as dores, a não ser por indicação do médico. Não dê este medicamento a uma criança, ou adolescente que tenha varicela, gripe ou alguma outra infeção viral. Além disso, se estiver nos três últimos meses de gravidez não tome este medicamento sem falar com o seu médico.

Comentários