Doenças reumáticas atingem mais de metade da população portuguesa

Muitos apresentam sintomas mas desconhecem a patologia. O EpiReumaPt/ReumaCensus, o maior estudo sobre doenças reumáticas realizado em território nacional, fala em 56%. Poucos estão diagnosticadas.

As doenças reumáticas são alterações funcionais do sistema músculo-esquelético de causa não traumática. São, nos países desenvolvidos, o grupo de enfermidades mais frequente no ser humano e também uma das principais causas de incapacidade. Por seu turno, a incapacidade funcional e laboral que geram tem um forte impacto sócio-económico. Há mais de uma centena de doenças reumáticas, com vários subtipos.

Nestes incluem-se as doenças inflamatórias do sistema músculo-esquelético, do tecido conjuntivo e dos vasos, as doenças degenerativas das articulações periféricas e da coluna vertebral, as doenças metabólicas ósseas e articulares, as alterações dos tecidos moles periarticulares e as doenças de outros órgãos e/ou sistemas relacionadas com as anteriores. As doenças reumáticas podem ser agudas, recorrentes ou crónicas.

Têm origens diferentes e, apesar de serem mais frequentes nos adultos, afetam pessoas de todas as idades. A prevalência das doenças reumáticas oscila, em média, nos países ocidentais, entre 8% e 12% da população em geral. Nalguns casos, é consideravelmente maior. Muitos apresentam sintomas mas desconhecem a patologia. O EpiReumaPt/ReumaCensus, o maior estudo sobre doenças reumáticas realizado cá, fala em 56%.

No entanto, segundo essa investigação, tornada pública em 2014, só 22% estarem diagnosticadas. A cada momento cerca de 2,7 milhões de portugueses sofrem de algum tipo de queixas reumáticas, o que equivale a 25,7% da população. Por sexos, estas queixas atingem cerca de 1,7 milhões de mulheres e de 970.000 homens. As mulheres, sobretudo a partir dos 65 anos, são quem mais sofre com as doenças reumáticas.

Como se manifestam as doenças reumáticas?

As formas mais comuns de manifestação das doenças reumáticas são a dor, a tumefacção e a limitação da mobilidade. O alerta para estas doenças é urgente, já que são muitas vezes ignoradas por quem as sofre pela simples razão que a patologia pode ser assintomática durante anos.  No entanto, em Portugal, além de primeira causa de incapacidade temporária, as doenças reumáticas são responsáveis por 40% das reformas antecipadas.

Quais são as principais doenças reumáticas?

As principais doenças reumáticas são a artrite reumatóide, a osteoartrose, as raquialgias (que incluem as cervicalgias e as lombalgias), a osteoporose, a fibromialgia e outros reumatismos dos tecidos moles. 80% da população com mais de 60 anos sofre de osteoartrose, uma doença caracterizada por alterações degenerativas da cartilagem articular que afeta principalmente as articulações de carga, os joelhos, a coluna e as ancas.

Quais são os factores de risco das doenças reumáticas?

Cada doença tem fatores de risco específicos. Há algumas patologias relacionadas com a prática de actividade laboral, de desporto e mesmo de lazer. Alguns fatores de risco são comuns, como é o caso da idade, da obesidade, do tabagismo, da ingestão excessiva de bebidas alcoólicas e da ingestão de fármacos.

Como se tratam as doenças reumáticas?

Os tratamentos apresentam terapêuticas diversificadas e, frequentemente, visam reduzir a dor, a incapacidade e melhorar o bem-estar e a qualidade de vida do doente. «As doenças reumáticas e músculo-esqueléticas têm um impacto enorme e comprovado na vida profissional e na vida pessoal das pessoas », sublinha Luís Cunha Miranda, reumatologista que, em 2013, participou num estudo pioneiro em Portugal.

artigo do parceiro:

Comentários