Disfunção ejaculatória: o que é e como tratar?

A disfunção ejaculatória caracteriza-se por uma perturbação do momento ou da quantidade de emissão de esperma. Pode ser prematura, retardada, retrógrada ou por anejaculação, ou seja, a ausência completa de ejaculação. Nuno Monteiro Pereira, médico urologista, explica as causas e o tratamento.
créditos: DR

O complexo processo da ejaculação é fundamental para a dinâmica sexual do homem e do casal, e é indispensável para a reprodução. A sua disfunção é frequente motivo de procura de consultas de Sexologia e de Andrologia.

Atinge frequentemente homens jovens, o que aumenta o seu impacto na sexualidade individual e conjugal, especialmente quando é causa de infertilidade. Esta última circunstância é muitas vezes prioritária, sendo por vezes necessário o recurso a técnicas de reprodução assistida.

Dentre as várias causas determinantes de uma disfunção ejaculatória relevam as causas psicológicas ou, melhor dizendo, as causas em que os aspectos psíquicos interferem com o controlo cerebral da ejaculação. Existem vários tipos de disfunções ejaculatórias:

Anejaculação

A anejaculação é a ausência completa de ejaculado, estando conservada a sensação orgásmica. A maioria dos casos de orgasmo sem ejaculação deve-se a causas psicológicas, nas quais releva o receio de provocar uma gravidez. Nesses casos, existem ejaculações fora do coito, geralmente sob a forma de poluções nocturnas, ao acordar ou no decorrer de masturbações. Algumas situações neurológicas, as lesões vértebro-medulares e a iatrogenia cirúrgica e medicamentoso podem também ser causa de anejaculação.

Ejaculação retrógrada

A ejaculação retrógrada caracteriza-se pela ausência total ou parcial de emissão do ejaculado, devido ao insuficiente encerramento do esfíncter uretral interno. Assim, o esperma passa da uretra posterior para o interior da bexiga, permanecendo a sensação de orgasmo. A etiologia é frequentemente de origem psicológica, neurológica ou devido à ação medicamentosa.

Ejaculação dolorosa

A ejaculação que é acompanhada de dor deve-se geralmente a processos infeciosos ou inflamatórios do aparelho genital. Quando a causa da dor é psicológica ou psíquica, costuma apresentar-se após a ejaculação e com uma duração que pode durar alguns minutos a vários dias.

Comentários