Creatinina: o que é e para que serve?

Por Germano de Sousa
A creatinina existe no sangue e é um produto do metabolismo muscular. Filtrada do sangue pelos rins e excretada pela urina em uma velocidade relativamente constante, as alterações da sua concentração sanguínea refletem o estado de saúde ou doença dos rins. Quando a função renal diminui, menos creatinina é excretada e sua concentração sanguínea aumenta.
Importância da creatinina no diagnóstico
A determinação deste parâmetro no sangue, é usada assim para avaliar a função renal, permitindo o diagnóstico ou o acompanhamento da evolução e terapêutica de doenças renais ou de doenças que, como a diabetes, lesam os rins. Usa-se também para avaliar eventuais alterações da função renal provocadas por alguns medicamentos ou contrastes radiológicos.
A concentração da creatinina no sangue também é empregada para estimar a taxa de filtração glomerular que é uma medida da função renal. Os glomérulos são pequenos filtros nos rins que removem substâncias que são tóxicas, quando em excesso no plasma sanguíneo, evitando porém a perda de componentes importantes, como as proteínas.
Os rins normais filtram cerca de 200 litros de sangue, produzindo aproximadamente dois litros de urina. A taxa de filtração glomerular mede a quantidade de sangue filtrada pelos glomérulos em um minuto. Quando a função renal diminui devido a lesão ou doença, a taxa de filtração glomerular diminui e os resíduos tóxicos acumulam-se no sangue.
A insuficiência renal crónica é progressiva e pode ocorrer em muitas situações clínicas, como a Diabetes ou a Hipertensão. A deteção precoce de disfunção renal permite uma intervenção terapêutica atempada diminuindo lesões renais que só são clinicamente percetíveis quando o rim já perdeu 30% a 40% da sua função.
A taxa de filtração glomerular é calculada a partir da concentração da creatinina no sangue. Esta estimativa pode ser confirmada mediante a “depuração da creatinina”, conjugando deste valor com a determinação dos níveis de creatinina na urina de 24 horas.
Níveis elevados de creatinina no sangue apontam para uma possível infeção bacteriana no rim, lesão ou inflamação dos vasos sanguíneos nos rins causada por doenças auto imunes, obstrução do trato urinário resultante de doenças da próstata ou pedras nos rins.
Níveis baixos de creatinina resultam geralmente da diminuição da massa muscular e não têm significado clínico.
Por Germano de Sousa
artigo do parceiro:

Comentários