Contracetivos orais aumentam risco de cancro da mama

A relação entre a pílula e a doença tem sido apontada por várias investigações científicas, apesar do consenso não ser generalizado. Mas existem mitos que podem pôr a saúde das mulheres em risco

Estudos internacionais provaram que a toma da pílula aumenta ligeiramente o risco de cancro da mama, mas previne o tumor dos ovários. De acordo com a American Cancer Society, o risco parece diminuir abrutamente assim que a mulher deixa de tomar os contracetivos orais e, após dez anos, desaparece por completo. Algumas pesquisas detetaram um risco elevado de cancro da mama em mulheres que recorrem a anticoncetivos com DMPA.

 Este tipo de anticoncecionais integra uma formula injetável de progesterona que é geralmente administrada de três em três meses. O risco parece, no entanto, desaparecer ao final de cinco anos após o fim da toma. Mulheres que já tenham tido cancro da mama não devem utilizar contracetivos hormonais. Apesar destes indícios, continuam a existir mitos que condicionam e afetam a vida de muitas mulheres.

 É falso que os seguintes fatores aumentem o risco de cancro da mama:

- Mamografias

 As radiações a que estamos expostos durante uma viagem de avião «são muito superiores a todas as mamografias que possamos fazer na vida», compara Fatima Cardoso, oncologista.

 - Implantes mamários

Segundo a especialista, «se forem de boa qualidade e estiverem em condições, não representam qualquer perigo, apenas dificultam a vigilância, ao nível da deteção de nódulos, tanto clínica como nas imagens».

 - Sutiã

Os receios de que dificulta o fluxo linfático «não têm qualquer sentido», assegura a especialista.

- Secar o leite

Se é verdade que alguns estudos sugerem que amamentar tem um efeito protetor no cancro da mama, não há qualquer indício de que secar o leite aumente o risco.

 - Traumatismos

Os traumatismos não provocam cancro, podem é, devido ao aparecimento de hematoma, levar à deteção de um nódulo que já existia.

 - Desodorizantes e perfumes

Rumores lançados na internet apregoavam que os químicos presentes neste tipo de produto se infiltravam na pele e afetavam a circulação linfática. Todos os estudos provaram que, quando livres de parabenos, não representam riscos para a saúde, indica a American Cancer Society.

 - Quistos benignos

«Podem ser desagradáveis, mas não existe associação entre quistos benignos e cancros da mama», refere ainda a médica.

Texto: Fátima Lopes Cardoso com Fátima Cardoso (oncologista médica e diretora da Unidade de Mama do Centro Clínico Champalimaud)

artigo do parceiro:

Comentários