Como a primavera afeta a nossa saúde

Saiba quais são os órgãos que ficam mais debilitados e os problemas que se agravam

A primavera é um período particularmente nocivo para o fígado e para a vesícula, os órgãos mais afetados pela renovação tradicionalmente associada a esta estação, de acordo com a medicina tradicional chinesa.

Existem alimentos, massagens e comportamentos que os podem proteger da hipersensibilidade e da irritação que se manifestam nesta altura, como é o caso de uma atividade sexual moderada.

Em entrevista à Prevenir, Wenqian Chen, mentora do Centro de Terapias Chinesas (CTC), explica como as estações meteorológicas afetam os diferentes órgãos do organismo humano, enumera ainda as doenças e os problemas de saúde que mais afetam o fígado nesta altura e diz o que se deve ingerir nesta altura para gerar os necessários e essenciais equilíbrios orgânicos.

Por que é que, na primavera, existe um número considerável de pessoas a demonstrarem sintomas como fadiga, irritabilidade, desmotivação, insónias ou visão comprometida?

A primavera é a altura em que tudo na natureza se começa a renovar. E o corpo humano como membro da natureza deve corresponder aos seus estados para se manter equilibrado. Esta é a época em que a energia floresce e nasce. No entanto, é também a altura em que a energia dos órgãos correspondentes da estação (fígado e vesícula) está mais elevada. Estes órgãos são responsáveis pela irritabilidade, pela ira e pela raiva e, por conseguinte, por estados de stresse e tensão.

O fígado é também responsável pelos músculos, tendões e ligamentos. Assim, o seu desequilíbrio energético provoca irritabilidade, stresse, tensão muscular, etc. A pessoa sente rigidez no trapézio superior, que afeta pescoço, ombros, costas e gera muita tensão, stresse e dificuldade em relaxar. Portanto, é possível sentir o corpo rígido, contraído e não conseguir relaxar, sobretudo à noite, levando a insónias. Às vezes, a pessoa está tão cansada e tão tensa que quer relaxar, mas não consegue, levando a estados de exaustão e esgotamento.

Mas tudo isto é equilibrável porque é só mexer na energia do fígado e fazer com que este nascimento de energia seja bom e equilibrado. Temos a massagem Chun Sheng, que consiste em bambuterapia que provém da energia da madeira, para trabalhar os meridianos do fígado e da vesícula biliar que estão associados à estação da primavera, bem como toda a região das costas. Seguida de reflexologia com o bambu, recomendamos uma massagem drenante nas pernas e massagem facial para ajudar a prevenir as alergias e temos tratamentos para casos como a insónia, irritabilidade e o tratamento da ansiedade.

Porque é que esta é uma das alturas do ano em que o fígado está mais ativo?

A primavera é a altura do nascimento da energia. Portanto, as pessoas que já têm tendência a irritação neste período sentem muito mais e, de tal ordem, que quase não têm descanso porque ficam muito agitadas. Mal começa a primavera chegam ao Centro de Terapias Chinesas muitas pessoas sem saberem explicar por que razão estão tão irritados e insuportáveis na expressão de quem com eles convive e que deixaram de conseguir dormir bem, quando até costumavam dormir.

A expressão «maus fígados» tem a sua razão de ser. A medicina tradicional chinesa considera esta altura como a época da energia do fígado elevada. O corpo humano como membro da natureza funciona exatamente como a natureza. Nós passamos no inverno por uma fase de armazenamento da energia mas é na primavera que a mesma floresce. O mesmo acontece com as árvores que no inverno ficam sem folhas porque estão a armazenar energia.

E quem no inverno acumulou energia em excesso ou a gastou desmesuradamente, não armazenando, vai sentir precisamente na primavera as consequências. É por isso que nesta altura muitas vezes até acontecem acidentes vasculares cerebrais e situações de tensão alta que estão relacionados com este pico de energia mal gerido. Quem está mais ativo e já um bocado desequilibrado começa a sentir toda esta tensão.

Tal como na natureza se uma árvore dá muitos frutos de uma vez, na segunda quase não dá nada, porque se esgotou e a terra ficou pobre e o ideal é ir dando frutos, moderadamente... Com a nossa energia, deve ser igual!

Que outro tipo de problemas pode gerar a sobrecarga ou um mau funcionamento do fígado nos meses de primavera?

Cansaço, falta de forças, exaustão, agitação, esgotamento e depressão, irritação, tensão alta, acidentes vasculares cerebrais. Em suma, tudo aquilo que advém da irritabilidade e do excesso de stresse e tensão. Uma das principais causas hoje em dia da depressão é a quebra de energia do baço. Se há demasiada energia no fígado, este órgão ataca a energia do baço que alimenta os músculos. Daí que os sintomas associados à depressão sejam, precisamente, a falta de forças, dores musculares e/ou cansaço generalizado.

É muito simples. O baço é a terra e o fígado a madeira. Se a madeira gasta muita energia, o baço fica pobre e sem sustento, provocando falta de vitalidade que no ser humano se manifesta como moleza, falta de forças, cabeça cansada e até falta de apetite.

Refere que cada estação é associada a um órgão. À primavera corresponde o fígado. Quais são os das restantes e quais as principais implicações de cada um deles?

Cada estação do ano tem influência no nosso metabolismo e, de acordo com a medicina tradicional chinesa, cada emoção está ligada a um órgão específico do corpo. Na primavera temos o fígado e a vesícula, que estão relacionados com a irritabilidade. A vesícula é um órgão de decisão que gera não só impulsividade, como demasiada decisão e desgaste.

No verão, temos o coração e o intestino delgado e a emoção correlacionada com estes órgãos é a alegria. Mas o verão tem duas fases pois, no final do mesmo, que é a melhor altura para emagrecer, temos o baço e o estômago ligados à preocupação e aos pensamentos obsessivos. No outono, os órgãos são o pulmão e o intestino grosso, daí que, muitas vezes, esta seja uma altura para problemas intestinais e prisão de ventre.

Neste período a emoção é a tristeza. Por fim, no inverno os órgãos em foco são o rim e a bexiga, que geram medos e fobias. Todas as emoções geradas desgastam as energias dos órgãos, causando desequilíbrio e doenças. Todas as emoções são desgastantes. Até a alegria! O ideal é a paz, a harmonia, o equilíbrio. É aqui que se pretende chegar. Apesar da alegria ser uma sensação confortável continua a ser desgastante. E, com tempo, se tivermos muita alegria, vamos ter uma doença porque gastamos a energia do coração...

O que se pode fazer em termos preventivos para preparar as transições de estações sem impactos negativos em termos da nossa saúde?

Para cada estação temos que fazer o equilíbrio correspondente. Cada fase tem as suas normas e regras que ajudam a regular o corpo e a adaptá-lo ao meio e fase envolvimento. Por exemplo, agora podemos levantar-nos um pouco mais cedo mas manter o deitar cedo, contrariamente ao inverno em que devemos levantar-nos tarde e deitar-nos cedo. Na primavera não devemos comer coisas picantes.

A atividade física pode ser um pouco mais elevada do que no inverno, mas igualmente não exagerada, assim como a atividade sexual. Na primavera é muito importante ter atenção às mudanças de temperatura e, consequentemente, não devemos despir-nos demasiado rápido. Muita gente se constipa nesta altura por essa razão!

Existem alimentos que facilitam a ação do fígado durante o período de chegada da primavera? Quais são os mais recomendados e em que quantidades se devem ingerir?

O ideal devem ser sempre os legumes e as frutas da época. Esta é uma boa altura para consumir muitos vegetais, frescos e rebentos, raízes. Rebentos de soja, agriões, coentros, salsa, cebolinho, manjericão e alcachofra são dos mais recomendados. Devem também ser consumidos alimentos pouco gordos para salvaguardar o fígado e a vesícula, com poucas calorias e leves, nomeadamente peixes, vegetais e carnes brancas.

Texto: Luis Batista Gonçalves

artigo do parceiro:

Comentários