Aliados da pele

Dermatologista ensina a escolher o protetor solar ideal para si

Embora os especialistas aconselhem a aplicação de protetor solar durante todo o ano, nos meses mais quentes, o uso de um fator elevado, aliado a um estilo de vida correto, torna-se um escudo contra os raios ultravioleta, responsáveis por acelerar o processo de envelhecimento cutâneo e por 90 por cento dos cancros de pele.

Este verão, desfrute do sol e da praia mas, antes, reúna os conselhos de Fernando Guerra, dermatologista, para escolher os protetores solares que mais se adequam à sua pele e à da sua família.

A intensidade do sol


«A radiação solar tem três radiações fundamentais de ultravioletas consoante o comprimento de onda. Os UVC, com um comprimento de onda inferior a 290 nanómetros (nm), bactericida, retido pela camada de ozono, que não chega até nós onde seria mortal. Depois, os UVB, de 290 a 320 nm, responsável pelo eritema imediato e, finalmente, os UVA com 320 a 400 nm, responsável pela maior penetração (até à derme) e pelo bronzeamento tardio», descreve Fernando Guerra.

Especialmente quando o sol se encontra a pique (entre as 12h e as 17h) a exposição às radiações ultravioletas aumenta «o risco de cancro cutâneo e provoca o fotoenvelhecimento», alerta o dermatologista. Ter alguns cuidados e aplicar corretamente o protetor solar mais adequado à sua pele é, pois, de suma importância.

Comentários