Aftas associadas a carências vitamínicas

As explicações e as soluções da ciência para um tipo de lesão que já afetou mais de metade da população mundial. Aprenda a defender-se

Calcula-se que cerca de 50 cento da população mundial já tenha tido aftas, «pequenas lesões, não contagiosas, que aparecem na mucosa, na língua, junto às gengivas, nas bochechas ou na parte interior dos lábios, superior ou inferior, e que têm normalmente 0,3 centímetros de diâmetro», descreve Ana Cristina Lopes, médica dentista. As lesões são dolorosas e qualquer toque com a língua ou alimentos, nomeadamente ácidos ou muito quentes, pode provocar dores intensas. Têm um tom esbranquiçado ou amarelado, assemelham-se a pequenas crateras e, normalmente, desaparecem ao fim de duas semanas.

Os estudos até agora efetuados nesta área não permitiram ainda chegar a conclusões sobre a origem das aftas. Como explica Ana Cristina Lopes, «não existem razões específicas para o seu aparecimento, mas é comum associar-se esta predisposição à carência de vitaminas ou a algum problema que possa existir no sistema imunológico».

«Contudo, existem outros fatores como a predisposição genética, a tensão pré-menstrual ou uma deficiência a nível nutricional provocada pela falta de ingestão de algum alimento ou o efeito secundário de certos medicamentos. Os alimentos muito duros, morder a língua ou até as bochechas podem também gerar o aparecimento destas lesões», adverte ainda a especialista.

Como evitar

A prevenção deste problema passa por «evitar alimentos demasiado ácidos (ananás, abacaxi ou tomate) ou picantes e alguns frutos secos, nomeadamente nozes. Ainda assim, o facto de se ingerirem estes alimentos não significa necessariamente que sejam eles a causa das aftas. É importante não esquecer que cada caso é um caso», sublinha a especialista.

«Os alimentos demasiado quentes também devem ser evitados», recomenda ainda a médica. Uma boa e regular higiene oral, assim como uma alimentação saudável são excelentes aliados para evitar este problema. O tabaco também tende a agravar a situação, pelo que deixar de fumar é outra medida que deve pôr em prática.

Como controlar a dor

A maioria das pessoas que sofre de aftas tem dores que chegam a ser insuportáveis e que, segundo a médica dentista, «se devem ao facto de haver exposição do tecido que naquela zona é rico em vasos sanguíneos e nervos, o que acaba por provocar dores dilacerantes». Os diversos métodos de tratamento disponíveis são úteis precisamente para diminuir a dor e atenuar o mal-estar. Existem fórmulas que, para além dessa ação analgésica, possuem propriedades anti-inflamatórias ou travam a proliferação de microrganismos e desinfetam a lesão.

Quando procurar ajuda

As aftas desaparecem, normalmente, ao fim de 15 dias. Se o problema persistir deve consultar um médico dentista para que possa ser feito um diagnóstico mais completo. Também é aconselhável procurar um médico dentista caso o surgimento destas lesões seja frequente, o que pode traduzir uma saúde oral precária. Para além disso, é muito importante que mantenha uma alimentação cuidada, um estilo de vida saudável e uma higiene oral regular, o que implica nomeadamente escovar os dentes diariamente após as principais refeições e utilizar uma pasta de dentes adequada. A sua boca deve respirar saúde e a prevenção é o melhor remédio, sempre.

Texto: Leonor Noronha com Ana Cristina Lopes (médica dentista)

artigo do parceiro:

Comentários