15 mitos sobre a pílula

Desmistifique alguns dos mitos relacionados com aquele que é um dos contracetivos mais populares do mundo.
créditos: pixabay

A pílula é possivelmente o método de contraceção mais comum no mundo. Alguns mitos e dúvidas ainda persistem sobre este contracetivo. Afinal, a pílula engorda? Dá varizes? Prejudica a pele e os cabelos? Piora o humor?

Para facilitar, selecionámos os 15 mitos mais comuns sobre a pílula. Veja a quantos é capaz de responder corretamente:

1- Parar de tomar pílula pode causar acne? Sim, pode. Os androgénios (hormonas) têm sido implicados na etiologia da acne vulgar, possivelmente por intensificar a hiperceratose folicular. A pílula reduz os níveis sanguíneos de androgénios e, dessa forma, podem colaborar para diminuir a gravidade do acne. Por outro lado, como não existem verdades absolutas na medicina, em algumas raras mulheres, o acne pode ser um efeito colateral da pílula.

2- Certos remédios podem anular o efeito do anticoncecional? Sim. Sabe-se que a ampicilina, por exemplo, um antibiótico bastante comum e utilizado no tratamento de infeções urinárias, faringo-amigdalites e pneumonias, entre outros, pode reduzir a eficácia da pílula. Na senda, vários medicamentos anti-convulsionantes - utilizadas no tratamento de diversas formas de epilepsia - podem diminuir a eficácia dos anticoncecionais orais. Nesses casos, a mulheres devem certificar-se de que o seu contracetivo oral escolhido contem pelo menos 50 microgramas de etinil-estradiol ou mestranol.

3- Mulheres que usam a pílula têm maior risco de cancro da mama e do útero? Vamos por partes. O risco de cancro da mama é praticamente o mesmo entre usuárias e não-usuárias deste contracetivo. Nos tumores malignos do endométrio (camada mais interna do útero) e do ovário, a pílula exerce um efeito protetor – as usuárias da pílula apresentam metade do risco de cancro do endométrio e ovário das não-usuárias.

4- A pílula engorda? Ainda que o aumento de peso esteja entre as queixas mais comuns das mulheres que utilizam a pílula, estudos mostraram que isto pode não ser completamente verdadeiro. Uma pesquisa recente avaliou a variação de peso de 128 mulheres em uso de contracetivos orais durante 4 meses e descobriu que 72% das pacientes não apresentaram qualquer alteração de peso no final do período. Assim, queixar-se de aumento de peso já não é a melhor desculpa para interromper o uso da pílula.

5- A pílula faz mal ao cabelo? Não existem evidências científicas que comprovem este fato.

6- A pílula aumenta o risco e o número de varizes? Os contracetivos orais possuem diversos efeitos sobre o sistema cardiovascular e é possível que estejam envolvidos de alguma forma no desenvolvimento de varizes, mas as pesquisas produziram resultados controversos até ao momento.

7- A pílula pode alterar o humor? Podem ocorrer náuseas, dor de cabeça, dor nos seios, hemorragias vaginais irregulares e depressão nos primeiros meses de uso da pílula, mas estes efeitos colaterais passam frequentemente após alguns meses.

8- A pílula pode ser usada no tratamento da endometriose? Realmente faz parte do tratamento não-cirúrgico desta doença. Progestinas isoladamente podem ser úteis e são a primeira escolha de muitos especialistas.

9- A pílula alivia as cólicas menstruais? A menstruação dolorosa é menos frequente nas mulheres que não ovulam. Por isso, a pílula pode ser útil em 70-80% dos casos de dismenorreia. Quando a pílula é suspensa, as mulheres geralmente sentem a mesma intensidade de dor que apresentavam antes da sua utilização.

10- Mulheres que tomam a pílula demoram mais tempo a engravidar quando param? Verdade. O retorno à fertilidade em mulheres que interromperam o uso deste contracetivo demora mais tempo comparado às mulheres que interromperam outros métodos contracetivos, mas não parece haver prejuízo da fertilidade como um todo.

11- A pílula ajuda a proteger os ossos? Algumas pesquisas têm mostrado que o uso desta em mulheres após a menopausa diminui o risco de fraturas e suspeita-se que o seu uso possa melhorar a densidade mineral óssea em mulheres jovens, mas faltam comprovações científicas.

12- Mulheres com doença falciforme podem tomar a pílula? Mulheres com drepanocitose (doença falciforme) frequentemente não tomam contraceptivos orais contendo estrogénio e progesterona, pois preocupam-se com a possibilidade das hormonas piorarem a doença. Mas, os estudos laboratoriais não encontraram evidências que comprovem este facto.

13- Mulheres com Lúpus Eritematoso Sistémico (LES) podem tomar a pílula? Os contracetivos orais podem precipitar episódios de LES em mulheres portadoras desta doença. Por este motivo, a pílula não é recomendada em mulheres com LES.

14- Tenho mais de 40 anos e acabei de ter a minha última menstruação. Ainda preciso de tomar a pílula? Sim, uma vez que parar com a pílula pode resultar numa gravidez indesejada. Nas mulheres que estão a entrar na menopausa recomenda-se o uso da pílula por pelo menos mais 12 meses após a última menstruação.

15- A pílula pode piorar a asma? Não. As alterações dos níveis hormonais parecem ter um papel importante na gravidade da asma nas mulheres e cerca de 30 a 40% das mulheres apresentam flutuações na gravidade das crises relacionadas ao ciclo menstrual. A crise tende a ocorrer três dias antes e durante os quatro dias da menstruação. Os anticoncecionais orais podem ajudar nestes casos, nivelando as flutuações hormonais.

Guardar

artigo do parceiro:

Comentários