10 respostas essenciais para viver uma menopausa feliz

Tire todas as dúvidas

Mais cedo ou mais tarde, todas as mulheres passam por esta fase de transição hormonal.

Por isso, antes de lá chegar, esclareça as suas dúvidas e evite traumas desnecessários.

Todos os anos, cerca de 300 mil portuguesas entram na menopausa e a maioria delas vê a sua qualidade de vida afectada.

No entanto, de acordo com os especialistas, a menopausa não é uma doença e, portanto, não deve ser encarada como tal. Trata-se de uma etapa natural da vida da mulher que produz alterações tanto orgânicas como psicológicas. Que mudanças são essas e que impacto têm na sua vida? Com a ajuda do presidente da Sociedade Portuguesa da Menopausa, reunimos as respostas que procurava.

1. O que é e em que idade aparece?

A menopausa é um processo natural em que a mulher deixa de ter menstruação. Tal como explica Mário Sousa, ginecologista e presidente da Sociedade Portuguesa da Menopausa, «é o resultado do fim da produção de estrogénios pelos ovários, fazendo com que a mulher deixe de ovular e o útero deixe de menstruar».

Apesar da menopausa indicar o fim do período reprodutivo, durante o primeiro ano depois da última menstruação, deve-se utilizar um método anticonceptivo. Relativamente à idade, não há uma data fixa, mas habitualmente surge entre os 45 e os 55 anos de idade, apesar da perimenopausa começar um a cinco anos antes.

Não obstante, tem-se verificado um aumento de casos em idades mais precoces (por volta dos 40), quer seja uma menopausa natural (os óvulos esgotam-se por causa de uma alteração genética, radiações ou doenças ginecológicas), cirúrgica (pela remoção dos ovários e, às vezes, do útero), ou médica (por tratamentos que afectam a função do ovário, como a quimioterapia para tratar o cancro).

Um motivo adicional para não descurar os exames ginecológicos periódicos, imprescindíveis a partir dos 35 anos de idade: ecografias e citologias anuais, mamografias, análises hormonais e de marcadores tumorais em casos de risco identificado e, se necessário, densiometrias.

Comentários