O que comer aos 20 anos

Recomendações que dão mesmo resultado

O nosso corpo e as nossas necessidades nutricionais variam com o passar dos anos.

Aos 20 anos, as refeições são, maioritariamente, apressadas e fora de casa. A maior parte das vezes são despreocupadas e estão bastante longe das regras de nutrição que devem ser seguidas.

Quer conservar-se bem e saudável? Dizemos-lhe como deve adaptar a alimentação e as suas ementas diárias à sua idade.

Aquilo que come...

  • Café e bolos ao pequeno-almoço. Hambúrgueres, frango, batatas fritas, e sanduíches ao almoço. Pratos
    pré-cozinhados ao jantar. Regra geral, abusa da fast e da junk food.
  • De vez em quando faz uma refeição saudável, isto se ainda vive com os pais.


... e aquilo que devia comer!

  • Duas saladas por dia e iogurtes e fruta a meio da manhã e a meio da tarde.
  • 750 ml de leite e lacticínios (queijo e iogurte), no mínimo. O cálcio (leite, queijo e iogurte, brócolos, espinafres, couves, etc.) e o ferro (carnes vermelhas, marisco cru, leguminosas e frutos secos) são essenciais. Precisa deles para fortalecer os ossos e evitar a anemia, muito habitual na idade menstrual.
  • 1 a 1,5 g de proteínas de carne ou peixe por cada kg do seu peso corporal por dia. Quanto ao peixe, prefira os azuis. Relativamente às carnes, opte pelas brancas (são as mais saudáveis e pobres em gorduras saturadas). Pode comer enchidos e conservas em ocasiões especiais.
  • Hidratos de carbono complexos (arroz, massa, batata...) e ricos em fibra, quatro vezes por semana.
  • «No dia-a-dia, privilegie alimentos ricos em ómega-3, potássio e sódio, importantes para a estimulação nervosa. Ferro, que ajuda na oxigenação dos tecidos. Iodo, uma vez que promove a actividade intelectual. Vitamina B, porque participa na síntese de neurotransmissores. Vitamina C, antioxidante potente que tem expressão na memória e concentração, e glucose, que é o único nutriente energético de que o nosso cérebro se alimenta», recomenda a nutricionista Magda Roma.

Comentários