O perigo das batatas fritas

O alimento preferido de muitos portugueses esconde um químico potencialmente perigoso. Um estudo dos EUA já tinha defendido a tese, posteriormente confirmada por uma equipa de investigadores suecos

As batatas, a par do pão e do arroz, contêm acrilamido, um químico com propriedades cancerígenas que se ativam quando os alimentos com amido são confecionados a altas temperaturas, como é o caso da fritura. Para proteger a sua saúde deve preferir batatas cozidas ou assadas ou, no caso de as fritar, retire-as do óleo antes que adquiram um tom acastanhado. Além disso, não deve guardar batatas cruas no frigorífico.

O ambiente refrigerados potencia a formação de acrilamido durante a confeção. Evite ainda comer batatas fritas de pacote porque estas são cozinhadas a temperaturas superiores às recomendadas, e prefira vegetais para acompanhar a carne e o peixe. Um estudo desenvolvido pela Universidade de Estocolmo, na Suécia, em parceria com a agência nacional de segurança alimentar local, também detetou a presença de fortes doses de uma substância cancerígena neste produto.

Em 2003, uma investigação do City Hope National Medical Center, na Califórnia, nos EUA, também mencionou a presença de acrilamida nas batatas fritas, no pão, em bolachas e em biscoitos, acusando a substância de ser responsável por mutações de ADN que potenciam a patologia. O estudo sueco culpa a temperatura a que os tubérculos são fritos. Segundo os investigadores, o excesso de calor gera uma mutação nos glícidos que leva à produção de acrilamida.

artigo do parceiro:

Comentários