Nutrição por sonda no domicílio: Que opções e dificuldades?

A nutrição entérica – por sonda – no domicílio é cada vez mais frequente. Apresenta-se como uma vantagem custo-benefício capaz de prevenir a desnutrição e permite a melhoria da condição clínica e, consequentemente, da qualidade de vida do doente. Um artigo da nutricionista Joana Bernardo.
créditos: Pixabay

A nutrição entérica deve ser realizada em doentes cujas necessidades nutricionais não sejam asseguradas em 60% através de alimentação por via oral ou em doentes que estão impedidos de se alimentarem por esta via. Os tipos de acesso de nutrição entérica geralmente utilizados são:

- Sonda nasogástrica: colocação de uma sonda desde o nariz até ao estômago; utilizada em períodos curtos de tempo;

- Gastrostomia Percutânea Endoscópica (PEG): sonda colocada diretamente no estômago através da parede abdominal; este deve ser o método selecionado para alimentação em longos períodos de tempo.

A nutrição entérica pode ser administrada de diversas formas, sendo mais comum no domicílio o método de administração por bólus. Este é um método simples através do qual é utilizada uma seringa para a administração da alimentação, que poderá ser realizada no momento das refeições. Os volumes administrados e o número de refeições deverão ser ajustados de acordo com as necessidades nutricionais do indivíduo, seguindo sempre as indicações do Nutricionista de forma a assegurar um bom estado nutricional.

A alimentação a ser administrada poderá ser artificial/industrializada ou artesanal/culinária:

  • Artificial: fórmulas prontas a utilizar sob a forma de líquidos embalados e nutricionalmente completos (proteínas, hidratos de carbono, gorduras, vitaminas e minerais). Este tipo de alimentação é prático, fácil de utilizar e com risco de contaminação microbiológico reduzido ao máximo, uma vez que não implica manipulação da alimentação. De facto, podem apresentar um maior custo económico, contudo avaliando o custo-benefício estas são mais vantajosas, por serem nutricionalmente mais completas e seguras.
  • Artesanal: alimentação confecionada em casa através dos produtos alimentares que deverão ser liquidificados, por vezes com necessidade de serem coados, para serem posteriormente administrados pela sonda. Nutricionalmente mais incompleta, caso não seja adequadamente calculada e personalizada por um Nutricionista. O seu custo económico é inferior, contudo o risco de contaminação microbiológica é superior, pela necessidade de manipulação dos alimentos, e a sua composição nutricional é mais deficiente, necessitando muitas vezes de ser complementada com suplementos nutricionais em pó ou líquidos.

Na verdade, apesar da alimentação selecionada ser artificial ou artesanal é essencial que o manipulador siga as orientações necessárias para minimizar os riscos de contaminação durante a preparação e administração da mesma.

Neste sentido, no momento da administração, é necessário ter os seguintes cuidados:

  • Lavar e desinfetar adequadamente as mãos antes da manipulação dos utensílios e alimentos/fórmulas nutricionais;
  • Reunir todo o material necessário, que por norma é o seguinte: 1 recipiente para colocar a alimentação, 1 seringa, 1 copo com água e guardanapos;
  • A alimentação vai diretamente para o estômago, pelo que deverá ser fornecida à temperatura ambiente;
  • A administração da alimentação deve ser realizada de forma muito lenta, podendo demorar cerca 15-20 min ou até mais, com vários intervalos;
  • No momento das refeições, a cabeça e ombros do indivíduo deverão estar elevados a mais de 30/45º, sendo a posição mais adequada a 90º (sentado);
  • Não se deve deitar totalmente até 30 minutos depois da administração da alimentação;
  • Antes e após a introdução dos alimentos na sonda deve sempre introduzir água para limpeza e hidratação. A quantidade de água administrada deve ser sempre ajustada consoante as necessidades hídricas do indivíduo. Entre as refeições deverá ser administrada, também, água como forma de hidratação.
  • Deve-se preencher a seringa com o alimento e retirar o ar da mesma. Posteriormente retirar a tampa da sonda e introduzir o alimento lentamente. Após a administração do alimento, retirar a seringa e tapar novamente, para evitar a entrada de ar na mesma.

A IberSaúde tem à sua disposição profissionais de saúde treinados, de forma a assegurar todos os cuidados de enfermagem e nutricionais necessários aquando da utilização de nutrição entérica no domicílio. Cada caso é um caso e não existem métodos standard. As necessidades nutricionais do indivíduo deverão ser asseguradas através de uma avaliação e aconselhamento nutricionais adequados, bem como da seleção da dieta a administrar de acordo com as possibilidades e preferências dos doentes e cuidadores. Posteriormente, toda a equipa de profissionais de saúde realizará a monitorização adequada para assegurar o bom estado nutricional do doente.

As explicações são da nutricionista Joana Bernardo

artigo do parceiro:

Comentários