Já pensou em ser vegetariano?

Os riscos, benefícios e cuidados a ter revelados por uma nutricionista

Por motivos filosóficos ou ligados ao bem-estar pessoal, são cada vez mais as pessoas que estão a aderir ao regime alimentar que exclui o consumo de proteínas animais.

Os inquéritos revelam que é o sexo feminino que mais adere a esta espécie de clube de culinária alternativa onde convivem vários tipos de vegetarianos. Os ovolactovegetarianos, por exemplo, rejeitam o peixe e a carne mas, ainda assim, consomem laticínios e ovos.

O mesmo já não acontece com os mais puristas que seguem a dieta vegan. Um regime alimentar que apenas «inclui alimentos vegetais como hortofrutícolas, legumes, cereais, frutos e sementes e que pode conduzir a carências graves de ferro, cálcio, zinco, vitaminas B6 e B12, estando, por isso, contra-indicado nas fases de crescimento como bebés e crianças, mulheres grávidas e aleitantes», elucida Alva Seixas Martins, nutricionista.

Fontes de proteínas

Caso decida optar por este tipo de filosofia alimentar, deverá ter em conta que o principal segredo de uma dieta vegetariana de sucesso, equilibrada portanto, está em saber «combinar os alimentos de forma a cobrir as necessidades proteicas, vitamínicas e minerais, e variar o mais possível a escolha alimentar de cada grupo», como indica Alva Seixas Martins.

Sem esquecer a soja, tofu, tempeh e seitan, existem várias fontes vegetais de proteínas que podem substituir de forma saudável o consumo de carne ou peixe: feijão, grão, lentilhas, ovos, frutos gordos, sementes e manteiga de amendoim.

Comentários