Gordo e… saudável?

A obesidade é um problema de saúde pública associado a várias doenças crónicas. Contudo, é possível ser-se «gordinho» e saudável. Saiba como

O tecido gordo é anatomicamente distribuído no corpo humano e essa distribuição é influenciada por vários factores, incluindo o sexo, a idade, a genética, a dieta, o nível de actividade física e o padrão hormonal.

No passado foi sugerido que o número de células do tecido gordo (adipócitos) estava definido à nascença e que esse número predispunha as pessoas para serem magras ou obesas.

Segundo essa teoria, quando as pessoas engordavam, estavam a aumentar o tamanho das suas células no tecido gordo. No entanto, actualmente, sabe-se que as células não só aumentam de tamanho como aumentam em número.

Perante um balanço calórico positivo (quando se ingere mais calorias do que as que se gastam), o aumento da gordura corporal deverá fazer-se preferencialmente através do aumento do número de células, em detrimento do aumento do seu tamanho.

Se este processo não decorrer assim, a probabilidade das pessoas ficarem doentes é consideravelmente maior.

No fundo, as evidências científicas mais recentes demonstram que existem aumentos de massa gorda corporal mais saudáveis do que outros. Isto significa que nem todos os «gordinhos» são pouco saudáveis e que alguns magros podem estar doentes (doenças relacionadas habitualmente com a obesidade e o excesso de peso).

Contudo, é importante referir que a mesma pessoa será mais saudável se o seu peso estiver dentro dos padrões considerados normais. Curiosamente, os últimos estudos demonstraram que as pessoas que realizavam actividade física de forma regular, quando aumentavam de peso, isso devia-se ao aumento do número das células de gordura e não ao aumento do tamanho das células.

Isto é explicado pela libertação de determinadas substâncias durante o esforço. O que nos leva a concluir que, mesmo que a actividade física não seja suficiente para conduzir à diminuição do peso, pelo menos tem a grande capacidade de nos tornar «gordinhos» saudáveis.

Texto: Teresa Branco (Fisiologista na Gestão do Peso e coordenadora da Metabólica)

artigo do parceiro:

Comentários