Fazer Dieta no Natal e fim de ano: é possível?

O Natal cheira a canela, a açúcar, a bacalhau, a perú, a carne no forno, a doces na mesa e, por isso, nunca se esqueça de determinadas estratégias, para moderar a compulsividade alimentar.

Os nossos corações renovam-se de desejos e de emoções com os preparativos que idealizamos para receber todos os que mais amamos. Para tal, e muito de origem cultural, a mesa, os alimentos e as refeições são preparadas como esta quadra exige! A simbologia de tudo o que desejamos para nós e para quem nos visita centra-se muito nas refeições e nos alimentos que lhes oferecemos nestes dias!

Mas, para quem está de Dieta, como é que esta época festiva pode ser vivida?

Recordemos a definição da palavra Dieta. Estar em Dieta deve representar um período, com inicio e fim para se chegar a um determinado objetivo, que frequentemente associamos à perda de peso. Mas, fazer Dieta, pode ser mais que isso, pode-se tratar de uma preparação para um exame ou cirurgia, ou até mesmo, recuperação desta; pode estar relacionado com a restrição ou redução de um grupo de alimentos por razões de saúde e, pode ainda representar um ato religioso.

Falemos mais concretamente do tratamento do excesso de peso/ obesidade, que infelizmente atinge mais de metade da população portuguesa. Neste caso, a melhor definição para o padrão alimentar desejável, deverá centrar-se na palavra comportamento.

A luta contra o excesso de peso/obesidade deve ser um Comportamento Alimentar, que se deseja, saudável, variado e equilibrado ao estilo de vida.

Para quem não deve exceder um determinado patamar calórico, a palavra Comportamento é a que melhor se adequa, pois ninguém consegue viver em Dieta para sempre, mas pode e deve manter um Comportamento Alimentar defensivo para o resto da vida.

Por esta razão para quem se encontra em Dieta, o Natal deve ser vivido com moderação no Comportamento Alimentar.

Muito já se escreveu sobre as calorias de todos os doces de natal e, ninguém se esquece que um sonho pode apresentar um valor calórico de 389kcal* por 100gr.

O Natal cheira a canela, a açúcar, a bacalhau, a perú, a carne no forno, a doces na mesa e, por isso nunca se esqueça de determinadas estratégias, para moderar a compulsividade alimentar, como:

  1. Manter um bom pequeno/almoço, com cereais, como o centeio, rico em crómio, que ajuda a controlar a curva de açúcar e, deste modo, a diminuir a necessidade em açúcares. Nunca comece o dia com o doce, com o sonho ou a fatia dourada, pois assim irá aumentar o seu desejo metabólico em realizar curvas de açúcar de igual intensidade.
  2. Coma de 3 em 3h. Se “saltar” refeições, os doces, a mesa de natal, será muito mais tentadora.
  3. Beba bastante água, chás ou infusões, sem açúcar.
  4. Prefira os frutos secos para pequenos lanches, mas em dose moderada, pois apesar de serem boas opções, o seu consumo excessivo poderá comprometer a manutenção ou perda de peso.
  5. Não se esqueça dos legumes, das saladas e da sopa. Estes são bons alimentos para saciar, para permitir que o trânsito intestinal não se complique e também para corrigir o ph sanguíneo, uma vez que, o consumo de açúcar o pode alterar.
  6. Se provar um doce de natal, faça-o logo após uma refeição mista, de preferência o Almoço
  7. Inclua as sementes, como girassol, pevide de abobora, sésamo, linhaça, simples ou em saladas ou legumes salteados.
  8. Reduza a adição de açúcares nos doces. Experimente substituir o açúcar tradicional por açúcar de coco, de muito baixo índice glicémico. Excelente para quem deseja perder peso, para o doente diabético e/ou cardíaco.
  9. Utilize o Azeite, mas também aqui, em doses moderadas. Apesar de ser a melhor gordura, continua a ser uma gordura, logo trará acréscimo calórico.
  10. Caminhe, esteja ativo. Passeie com a família.

Esteja em família, não salte esta época do ano. Viva o Natal e tudo o que ele representa, mas com moderação, pois lembre-se que para o Ano há mais e, que os Natais ou outras épocas festivas, farão sempre parte das nossas vidas, e por isso o Comportamento Alimentar deve ser moderado e saudável.

Ana Filipa Baião

Nutricionista Clínica EM FORMA

*tabela da Composição de Alimentos, Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge, 2006.

Comentários