Comer tomate reduz risco de doença cardíaca em 26%

Licopeno está presente em frutas vermelhas e alguns vegetais
O antioxidante licopeno presente no tomate poderá ter efeitos poderosos para a saúde do coração, sugere um estudo norte-americano que adianta que a ingestão regular do fruto pode reduzir o risco de doença cardíaca em cerca de um quarto.



O estudo da Tufts University, nos Estados Unidos, sugere que o licopeno, antioxidante responsável pela cor vermelha do alimento, pode representar um conjunto de benefícios para o coração. Os cientistas analisaram dados sobre a ingestão da substância e compararam os seus efeitos no sistema cardiovascular de centenas de pacientes.



Os resultados mostraram que a ingestão regular de alimentos com licopeno ao longo de um período de 11 anos reduziu o risco de doença coronária em 26%, mas não representou qualquer efeito sobre o risco de acidente vascular cerebral (AVC), lê-se no estudo publicado na British Journal of Nutrition.



A equipa afirma que os dados indicam que o antioxidante parece proteger o ser humano das doenças cardiovasculares, mas ressalva que são precisos mais estudos para provar essa ligação.



Um outro estudo da Universidade de Portsmouth, publicado na mesma revista em janeiro de 2012, já tinha avançado que o licopeno travava o crescimento de certas formas de cancro.



O licopeno está presente em frutas vermelhas e alguns vegetais, mas a sua concentração é mais significativa no tomate, principalmente quando é cozinhado.



SAPO Saúde
artigo do parceiro: Nuno Noronha

Comentários