Carne de vaca clonada para proteger os animais?

O cientista holandês que criou o hambúrguer in vitro diz que o futuro passa por aí. Um conceituado autor norte-americano diz que não. Mas vamos ter de racionar!

O aumento exponencial da população nas últimas e nas próximas décadas obriga a novas soluções nutricionais para conseguir nutrir um número crescente de bocas. A Saber Viver falou com o jornalista e autor norte-americano Michael Pollan e com Mark Post, cientista holandês que criou o hambúrguer in vitro sobre a crescente preocupação com o desafio de alimentar 9 mil milhões de pessoas em 2050. Ambos têm visões distintas dos problemas que enfrentamos e oferecem soluções igualmente díspares. Ainda assim, partilham de uma crença comum. O consumo de carne vai ter de obedecer a um novo paradigma...

Mark Post, como é que há tantos problemas relacionados com a seguança alimentar?

Há muitos fatores que ameaçam a segurança alimentar. A gestão do desperdício, a distribuição, a situação económica dos países, a sua estabilidade política... O aumento da riqueza e um número crescente da população indicam que teremos de intensificar a produção, a fim de manter a mesma segurança alimentar que temos agora, que não é perfeita. É por isso que estão a ser desenvolvidas tantas tecnologias.

Além de outras vias, que procuram maneiras de aumentar as terras aráveis do mundo. Há oportunidades em África. Muitas tecnologias que estão a ser desenvolvidas dão-me esperança de que vamos alcançar uma segurança alimentar melhor nos próximos 10 anos. Este é, provavelmente, um dos maiores desafios que é concretizável num espaço de tempo razoável.

Porque é que ainda não é uma realidade? Há tantas pessoas a morrer à fome...

Parte do problema é que os inovadores não tinham um prazo em mente. Agora, em Silicon Valley, os novos Bill Gates estão preocupados com a segurança alimentar. Há 10 anos estavam preocupados com a educação. Por isso, está a mudar. Se as pessoas que têm muito dinheiro se concentrarem na resolução deste problema, será muito mais rápido.

Em 2050 a agricultura biológica ainda existirá?

Honestamente, se a tecnologia de carne in vitro tiver aceitação e cumprir a promessa, a agricultura biológica terá dificuldade em continuar a existir. Do meu ponto de vista, a carne de vaca clonada zela melhor pelo bem-estar dos animais do que a agricultura biológica tradicional.  Até o hambúrguer in vitro chegar ao mercado, seria fantástico se houvesse maior transparência na produção da carne. A indústria da carne tem práticas com as quais nós podemos não concordar.

Podemos querer deixar de pagar por este produto, pelo menos até os responsáveis mudarem a estratégia de produção. Mas nós, enquanto consumidores, temos de estar preparados para vir a pagar mais por um produto que não foi produzido em massa. Há uma interação entre a sociedade e os produtores. Ambos têm de contribuir de alguma forma.

Veja na página seguinte: A opinião de Michael Pollan

Comentários