As (novas) dietas portuguesas

Os conselhos e as recomendações das nutricionistas e das dietistas mais em voga

Todos os anos, as prateleiras das livrarias enchem- se de livros de dietas e a dúvida surge. Qual a melhor para mim? Os objectivos, regra geral, não mudam muito. Incidem sobretudo sobre o ajudar quem se debate com os quilos a mais a perdê-los sem prejudicar a saúde e, depois de o conseguir, a manter o peso nos valores recomendados. As propostas para o alcançar têm em comum a preocupação de superar as dificuldades inerentes a uma dieta convencional, como a monotonia e a falta de flexibilidade.

Estas chegam, contudo, de diferentes fontes, nomeadamente de médicos, de dietistas e de nutricionistas, muitos deles já portugueses, assumindo características e regras variadas. Perante a diversidade, as dúvidas quanto à melhor opção são legítimas. A Prevenir consultou as novidades no que se refere a dietas nacionais e sintetizou as suas principais regras e características, encontrando o perfil ideal dos seguidores de cada uma.

Com base na sua experiência clínica, uma dietista e duas nutricionistas construíram, nos últimos anos, planos para quem quer perder peso sem prejudicar a saúde, já imortalizados em livros amplamente promovidos em programas de televisão, revistas e na internet. Veja as diferenças e descubra com qual se identifica mais.

A dieta do prazer de Eduarda Alves

A reeducação alimentar proposta por esta dietista alia-se ao respeito pelo prazer de comer, pelo que não há alimentos, pratos ou confeções proibidos, apenas orientações para fazer as melhores escolhas e saber fazer compensações que lhe permitam atingir o peso pretendido. Estas são as recomendações preconizadas por Eduarda Alves:

- Ponha a mesa. Vários estudos demonstram que, quando as pessoas estão num ambiente cativante, ficam satisfeitas com menores quantidades de alimentos e fazem escolhas nutricionalmente mais acertadas.

- Mastigue bem e coma tranquilamente. A saliva contém uma enzima muito importante para a digestão dos amidos de alimentos como o pão, o arroz e os cereais, e o processo de mastigação propicia uma maior sensação de prazer e saciedade.

- Durma sete a oito horas por noite. Quem dorme pouco tem mais dificuldade em manter um peso adequado. «Quanto mais coloridos forem os seus pratos, maior variedade de nutrientes fornecem», diz Eduarda Alves.

A dieta viva de Ana Bravo

O regime defendido por esta nutricionista é uma adaptação dos princípios da Dieta do Paleolítico aos tempos atuais, com cuidados associados a inadaptações alimentares e a princípios de homeopatia. Estas são as recomendações de Ana Bravo:

- Prefira laticínios, como iogurtes e queijos, face ao leite.

- Coma a fruta no início da refeição ou até meia hora antes, para gerir melhor o apetite.

- Tremoços e pipocas (não muito açucaradas ou com mollhos) são ótimos petiscos. Os tremoços graças ao teor proteico de qualidade e ao aporte de fibra e as pipocas porque o valor calórico não é muito elevado e graças à textura crocante.

A dieta perfeita de Mariana Abecassis

Esta nutricionista defende um plano alimentar flexível, sem proibições, pensado para a perda de quatro quilos por mês (cinco para os homens) e para criar hábitos adequados e uma perda de peso consistente e duradoura. Estes são os conselhos de Mariana Abecassis:

- Se tem o hábito de ingerir açúcar todos os dias, passe gradualmente a cinco vezes por semana, depois três, até chegar a duas vezes por semana.

- A fruta deve ser a primeira opção de sobremesa, mas a gelatina e os gelados à base de leite também podem acalmar a gulodice.

- Estipule a regra de comer apenas um pão por dia, idealmente durante a manhã.

artigo do parceiro:

Comentários