5 razões para ingerir (mais) abóbora

São muitos os estudos internacionais que enaltecem os benefícios deste vegetal para a saúde. A sua polpa está repleta de produtos anticancerígenos.

Rica em vitamina C, betacaroteno e zinco, a abóbora contem uma grande quantidade de fibras e minerais essenciais e antioxidantes. Muitas investigações internacionais têm enaltecido as suas propriedades preventivas nalguns tipos de cancro e de doenças cardíacas. Ao comprá-las, escolha-as com um tom cor de laranja mais forte, sinónimo de uma maior presença de carotenoides.

Estas são cinco das (muitas) razões para que aumente o seu consumo:

1. Poder antioxidante

A sua coloração laranja deve-se à presença de betacaroteno, um pigmento com propriedades antioxidantes e com elevado teor de vitamina, com um papel importante na saúde ocular. Também contém muita vitamina C, essencial no reforço do sistema imunitário.

2. Controlo da tensão arterial

O seu teor de potássio (340 mg/100 g), similar ao da banana, é importante para quem pratica desporto e não só. O potássio reduz o efeito do sódio (presente no sal), aumenta a sua excreção na urina e, dessa forma, contribui para a redução da tensão arterial.

3. Vegetal antidepressivo

A abóbora é rica em triptofano, um aminoácido que ajuda a promover um estado emocional mais equilibrado, positivo e otimista, em particular em pessoas propensas a estados depressivos.

4. Fonte de em fitoesteróis

Estas substâncias têm um papel importante na regulação do perfil lipídico do sangue, em particular promovendo a diminuição do (mau) colesterol, o LDL.

5. Aliada da dieta

Com um elevado teor de água (96%), em fibras e baixo valor calórico, a abóbora é útil em qualquer plano de perda de peso.

As diferentes variedades

Existem vários tipos de abóbora mas, de um modo geral, não diferem muito do ponto de vista nutricional. Pelo seu paladar adocicado e textura suave, a abóbora-menina é uma das mais usadas, especialmente em sopas para bebés. A abóbora hokkaido é ideal para assar no forno, uma vez que não liberta água durante o processo de confeção.

Texto: Miguel Rego (nutricionista e mestre em saúde pública)

artigo do parceiro:

Comentários